Buscar
  • Da redação

Assassino da bancária Débora, em Tupã é preso em hotel no Rio de Janeiro


Ailton foi flagrado por câmeras embarcando em Aeroporto no Paraná

Após divulgação de pistas do ‘caso Débora’ nesta quarta-feira (27), o segurança Ailton Basílio, de 37 anos, foragido desde a noite do crime, no mês passado, foi preso pela polícia do Rio de Janeiro, em hotel na cidade de Teresópolis. Durante o mês em que esteve foragido, ele teve movimentações pelo Estado do Paraná, onde abandonou o veículo da ex-companheira na cidade de Maringá. Uma câmera de segurança registrou o suspeito no aeroporto de Foz do Iguaçu (PR). Basílio foi filmado momentos antes de ter embarcado em um voo para o Rio de Janeiro, onde estaria se hospedando em hotéis. De acordo com as investigações, as digitais de Ailton foram encontradas na faca usada para assassinar Débora, na noite do dia 21 de agosto. A prisão aconteceu em parceria com a Delegacia de Investigação Gerais de Tupã e a Polícia do Rio de Janeiro. O CRIME

Na noite de 21 de agosto, em Tupã,. Ailton Basílio matou sua companheira, Débora Goulart Subires, de 33 anos. Na manhã seguinte, ele fugiu com o veículo do casal e um computador da residência onde morava, na área central daquela cidade.

A bancária foi encontrada morta pelos policiais militares sargento Dias e cabo Henrique, por volta das 11h. A vítima, que estava vestida com roupas de academia, foi assassinada com três facadas. O atual companheiro da mulher, que não teve nome revelado, não foi localizado. O carro do casal também não estava na garagem da residência. O caso já é investigado pela Polícia Civil. Segundo consta, familiares tentaram falar com a tupãense e como não conseguiram o contato ligaram para a Polícia Militar. Os PMs foram até a residência e após entrarem no local encontraram a bancária já sem vida e com uma faca cravada no peito.

Há alguns dias, Débora compareceu ao trabalho com lesões nos braços. Disse que tinha sofrido uma queda. A suspeita é que ela já vinha sendo agredida. Nesta segunda-feira, ele deixou o trabalho chorando. Como não compareceu para trabalhar hoje, colegas de trabalho acionaram a polícia, que foi até a residência.No quarto onde ela foi morta, havia uma mala com roupas sobre a cama, indicando que ela pretendia deixar a casa.


7 visualizações
  • Facebook - White Circle
  • Tumblr - White Circle
  • Twitter - White Circle
Anuncie aqui!!!
14 99797-5612

© 2017 por "JP. Povo