Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Prefeitura envia e, após "rebelião", retira da Câmara projeto que previa dobrar salários d


Uma nova polêmica tomou conta dos bastidores políticos na manhã desta sexta-feira, em Marília, após ter chegado na Câmara Municipal o Projeto de Lei Complementar n° 61/2017, prevendo aumento de referência de advogados e procuradores da Prefeitura, de 37 para 48.

Com isso, os salários dos integrantes desses cargos praticamente dobrariam, de cerca de R$ 2.400 para aproximadamente R$ 4.200. As funções dos advogados são mais administrativas (assessoramento de secretarias e órgãos da Prefeitura) enquanto os procuradores atuam mais nas causas judiciais.

Mas, o ambiente esquentou nos bastidores e, após nova reunião com vereadores nesta tarde, o prefeito Daniel Alonso (PSDB, segundo o vereador Albuquerque, determinou a retirada do tal projeto, que estava na Câmara, aguardando o prazo de emendas para entrar na pauta provavelmente em, sessão extraordinária, na Câmara Municipal.

O Projeto de Lei Complementar foi enviado à Câmara pelo setor Jurídico da Prefeitura. Geralmente, projeto seguem via Atos Oficiais.

"ELES GOSTAM DE DESAFIAR", DIZ VEREADOR

O vereador José Carlos Albuquerque (PRB), disse ao JP que na reunião de pauta na última quarta-feira, vereadores alertaram o secretário municipal de Assuntos Estratégicos, que este projeto não deveria ser enviado à Câmara, pois não seria aprovado.

"Para a nossa surpresa, o projeto está aqui na Casa. Parece que eles (Prefeitura) gostam de desafiar", comentou Albuquerque. Ele lembrou que o secretário municipal da Fazenda, Levi Gomes, disse numa recente Audiência Pública na Câmara não ter caixa para reajustes salariais dos servidores.

"E, de repente, eles vêm com esse projeto direcionado para uma só categoria, já privilegiada como os advogados. Se o prefeito estiver realmente querendo beneficiar os servidores municipais, deve focar e acelerar o Plano de Carreira e Salários da categoria, que é mais justo", disse o vereador.

DEPUTADO E A POLÊMICA NA RÁDIO

O deputado Abelardo Camarinha (PSB) participou do "Jornal da 950", nesta sexta-feira e criticou o projeto de lei que previa dobrar os salários dos advogados e procuradores da Prefeitura.

"Eles exercem funções dignas que e têm seus valores. Mas este não é o momento do prefeito Daniel Alonso e o vice, Tato, promoverem esse tipo de aumento salarial. Tem que priorizar as margaridas, os braçais, professores, atendentes de creches e escolas da Prefeitura que ganham pouco e este ano tiveram apenas 2% de reajuste salarial", disse Camarinha.

Ele afirmou que "o prefeito não pode massacrar essas categorias de servidores com menores salários para privilegiar outras. O prefeito acabou com as horas-extras dos servidores que ganham menos e agora quer dobra salários de outros que ganham bem. Os vereadores, o Sindicato dos Servidores não podem apoiar isso", alertou o parlamentar.


1 visualização0 comentário