Buscar
  • Da redação

Poliesportivo da Vila Altaneira segue abandonado. Retrato do relaxo da gestão Daniel Alonso, que per


Conforme já divulgado pelo JP, o poliesportivo da Vila Altaneira, na Zona Leste da cidade, continua completamente abandonado.

Em pesquisas, o JP levantou que em março foi liberada uma emenda no valor de R$ 222.857,14, pelo Ministério dos Esportes. A emenda foi de autoria do então deputado Beto Mansur (MDB) e tinha como destino obras de reformas do referido Poliesportivo. A contrapartida da Prefeitura seria de R$ 55 mil.

A emenda determinou esta verba como impositiva, ou seja, só poderia ser usada para as obras de reformas do Poliesportivo da Vila Altaneira. Mas, nada foi feito. Nem o projeto para uso das verbas foi providenciado.

O site sobre convênios do Governo Federal, informou, em 5 de setembro de 2018, que a referida verba "está regularizada e pronta para ser movimentada na agência bancária (CEF)".

Ou seja, o dinheiro já estava disponível há vários meses, mas desde março de 2018, quando a emenda foi anunciada, o prefeito Daniel Alonso (PSDB) sequer fez o projeto técnico. Puro relaxo e incompetência.

Pior: a data limite para prestação de contas sobre a verba (caso utilizada) terminou em 28 de maio de 2019.


Emenda e verbas liberadas pelo Governo Federal para obras de reformas do Poliesportivo da Vila Altaneira: mas o prefeito não fez sequer o projeto para isso.

Prazo está terminando e Município pode perder a verba



O ABANDONO DO POLIESPORTIVO

Moradores da Vila Altaneira, Betel e adjacências, na Zona Leste de Marília, estão revoltados com o abandono do Poliesportivo daquela região.

Matagal por todos os lados, destelhamento, deterioração, vidros quebrados e muita sujeira, com aparecimento de cobras e outros animais peçonhentos. "Um desleixo da Prefeitura em nosso ponto que era de lazer. O nosso Poder Público está detonando com as coisas boas que existem em Marília. O campo de bocha aqui está um chiqueiro. Que tal o senhor, prefeito, fazer alguma coisa pela população de Marília e de preferência pela população da Vila Altaneira, que não aguenta mais isso", disse o servidor estadual e carnavalesco, Tadeu Martins, dirigente da Escola de Samba Corinthians do Sapo. Ele convoca a comunidade para reagir e cobrar a Prefeitura. "Não pode ficar nesse chiqueiro que está, não!".

O local, na Rua Jericó, também serve como abrigo de marginais e usuários de drogas. Anexo ao Poliesportiva funcionava um salão de danças da terceira idade, também desativado e deteriorado pelo abandono.










73 visualizações0 comentário