Buscar
  • Da redação

Vereador Albuquerque conquista novas obras para o projeto de Equoterapia no Quartel da PM. Trabalho


Vereador Albuquerque vistoriando as novas obras no projeto de Equoterapia no Quartel da PM em Marília, acompanhado do coordenador, sargento PM Ivair Wagner de Souza


Já estão sendo construídos dois banheiros com acessibilidade e duas salas de recepção e acolhimento no projeto de Equoterapia no Quartel do 9° Batalhão da Polícia Militar em Marília.

As melhorias foram conquistadas pelo vereador e presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar, José Carlos Albuquerque.

Ele tem um histórico com esta ação social desde que a mesma foi implantada em Marília, em 2001. "Naquela época, agilizamos uma parceria com a Prefeitura, que iniciou os serviços, as baias e os cavalos para os trabalhos de Equoterapia. A parceria com a Polícia Militar e voluntários evoluiu bem e centenas de famílias foram e continuam sendo atendidas por este importante trabalho de apoio à saúde, reabilitação e integração social", disse Albuquerque.

Outra conquista dele foi a construção de um barracão de cerca de 800 metros quadrados no setor de Equoterapia, em meados de 2006. "Esse trabalho não para e felizmente vem crescendo gradativamente, beneficiando crianças e adolescentes", comentou.

O QUE É EQUOTERAPIA?

Trata-se de um projeto com a utilização de cavalo como recurso terapêutico para o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas portadoras de deficiência ou de necessidades especiais. Na Equoterapia o cavalo é utilizado como um meio de se alcançar os objetivos terapêuticos. Ela exige a participação do corpo inteiro, de todos os músculos e de todas as articulações.

Em Marília, os trabalhos têm a participação de vários profissionais da saúde e policiais voluntários. O atendimento gratuito é realizado semanalmente, cdm a participação de crianças com diagnóstico de autismo, síndrome de Down, bipolaridade ou paralisia cerebral. Entidades como Espaço Potencial, Apae e Amei são parceiras do projeto. O contato com os valores e o momento reproduzido em cada sessão da terapia mostra em diferentes estudos situações de conforto, relaxamento, alongamento para os pacientes, proporcionando momentos emocionantes quando, por exemplo, uma criança começa a caminhar durante o tratamento.

HISTÓRICO MILENAR O uso do cavalo como forma de terapia data de 400 A.C. quando Hipócrates utilizou-se do cavalo para "regenerar a saúde" de seus pacientes, e desde 1969 a NARHA (Associação Americana de Hipoterapia para Deficientes) vem divulgando na América do Norte o método, que, na Europa, já é conhecido a mais de 20 anos. No Brasil, a partir dos anos 70, quando foi criada a ANDE-Brasil (Associação Nacional de Equoterapia) o tratamento tomou maior impulso, mas somente nos últimos seis anos é que se pode notar o verdadeiro crescimento desta modalidade terapêutica, haja visto o número crescente de centros de equoterapia em todo território nacional. A Equoterapia foi reconhecida como método terapêutico em 1997 pela Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitacional e pelo Concelho Federal de Medicina. POR QUE O CAVALO? O cavalo é utilizado como recurso terapêutico, ou seja, como instrumento de trabalho. O movimento rítmico, preciso e tridimensional do cavalo, que ao caminhar se desloca para frete / trás, para os lados e para cima / baixo, pode ser comparado com a ação da pelve humana no andar, permitindo a todo instante entradas sensoriais em forma de propriocepção profunda, estimulações vestibular, olfativa, visual e auditiva. OBJETIVO A técnica tem como objetivo proporcionar ao portador de necessidades especiais o desenvolvimento de suas potencialidades, respeitando seus limites e visando sua integração na sociedade, proporcionando ao praticante benefícios físicos, psicológicos, educativos e sociais. A Equoterapia é baseada na prática de atividades eqüestres e técnicas de equitação, sendo um tratamento complementar na recuperação e reeducação motora e mental. Na parte física, o praticante da equoterapia é levado a acompanhar os movimentos do cavalo, tendo que manter o equilíbrio e coordenação para movimentar simultaneamente tronco, braços, ombros, cabeça e o restante do corpo, dentro de seus limites.

O movimento tridimensional do cavalo provoca um deslocamento do centro gravitacional do paciente, desenvolvendo o equilíbrio, a normalização do tônus, controle postural, coordenação, redução de espasmos, respiração, e informações proprioceptivas, estimulando não apenas o funcionamento de ângulos articulares, como o de músculos e circulação sangüínea. Durante toda a sessão as terapeutas também ajudam a estimular a auto-confiança, auto-estima, fala, linguagem, estimulação tátil, lateralidade, cor, organização e orientação espacial e temporal, memória, percepção visual e auditiva, direção, analise e sintese, raciocínio, e varios outros aspectos. Na esfera social, a Equoterapia é capaz de diminuir a agressividade, tornar o paciente mais sociável, melhorar sua auto-estima, diminuir antipatias, construir amizades e treinar padrões de comportamento como: ajudar e ser ajudado, encaixar as exigências do próprio indivíduo com as necessidades do grupo, aceitar as próprias limitações e as limitações do outro. INDICAÇÕES A Equoterapia é indicada no tratamento dos mais diversos tipos de comprometimentos motores, como paralisia cerebral, problemas neurológicos, ortopédicos, posturais; comprometimentos mentais, como a Síndrome de Down, comprometimentos sociais, tais como: distúrbios de comportamento, autismo, esquizofrenia, psicoses; comprometimentos emocionais, deficiência visual, deficiência auditiva, problemas escolares, tais como distúrbio de atenção, percepção, fala, linguagem, hiperatividade, e pessoas "saudáveis" que tenham problemas de posturas, insônia, stress. EQUIPE O paciente em tratamento conta com o acompanhamento de uma equipe interdisciplinar formada por profissionais da área da saúde - Fonoaudióloga, Fisioterapeuta, Psicóloga, Terapeuta Ocupacional ; da área educacional - psicopedagoga, professor de educação física, assistente social; - e do trato animal - instrutor de equitação, zootecnista, auxiliar guia, e tratador. O praticante é avaliado pela equipe e a partir disso é elaborado um programa especial e definido os seus objetivos. As sessões são normalmente individuais e tem a duração média de 30 minutos cada. CONCLUSÃO A Equoterapia é um dos raros métodos, ou melhor, talvez o único, que permite que o paciente vivencie muitos acontecimentos ao mesmo tempo e no qual as ações, reações e informações são bastante numerosas. Sendo assim, um dos aspectos mais importantes nesse tipo de tratamento é que se conscientiza crianças e jovens de suas capacidades e não de suas incapacidades, trabalhando o deficiente como um todo, tanto pelo lado psíquico como pelo somático.





20 visualizações0 comentário