Buscar
  • Da redação

Vereadores começam a pular de partidos com a abertura da janela partidária


Começou nesta quinta-feira (5) e segue até o próximo dia 4 de abril a chamada janela partidária, onde vereadores que concorrerão às eleições municipais de outubro próximo poderão mudar de partido sem o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Esta opção vai provocar movimentações na Câmara de Marília. Alguns vereadores praticamente já definiram mudanças de partidos.

São os casos de José Carlos Albuquerque, que troca o PRB pelo PSDB (partido o prefeito Daniel Alonso, do qual ele é líder na Câmara) e João do Bar, que pulará do extinto PHS para o PP (aliado à base do ex-prefeito Abelardo Camarinha - Podemos).

O vereador Evandro Galete (do extinto PTN e atual Podemos) está com um pé no PSD do presidente da Câmara, Marcos Rezende.

O vereador Cícero do Ceasa (PV) deve se filiar no PL. O grande desejo político dele é ser candidato a vice-prefeito na chapa do desgastado Daniel Alonso (PSDB), que acumula altos índices de rejeição popular.

Outro que deve pular de galho é Mário Coraíni. Com o partido dele (PTB) esvaziado, o destino dele será o PL ou PSDB. Coraíni (o vereador mais velho da Câmara, com 84 anos) sempre se elegeu na carona de coligações partidárias. Mas esta mamata acabou a partir deste ano.

Custódio disse que não seria candidato à reeleição após enfrentar novo desgaste votando a favor de aumento de 29% nos salários de vereadores


O vereador Marcos Custódio (PSC) está na mesma situação. Ele mira no Podemos, mas enfrenta resistência de alguns membros do partido., que alegam, falta de ideologia com a legenda e oportunismo do vereador.

Custódio acena com a possível candidatura à reeleição após ter declarado ao JP que não seria mais candidato por causa do desgaste que ele enfrenta, especialmente na comunidade evangélica, pode ter votado a favor do projeto de aumento de 29% nos salários do vereadores para a próxima Legislatura. Na sessão camarária passada Custódio disse estar "angustiado" com isso, em função da pressão popular e de suas bases eleitorais.






















49 visualizações0 comentário