Buscar
  • Da redação

Marília terá carreata e buzinaço pelo fim da quarentena, hoje. Ato anterior virou caso de polícia


Está programada para as 14h desta terça-feira (14), uma carreata e buzinaço em Marília com manifestação pedindo a reabertura imediata do comércio aqui na cidade.

A concentração será na Avenida das Esmeraldas, em frente a Emdurb e seguirá por diversas ruas do centro, com chegada em frente a Prefeitura.

A manifestação vem sendo organizada em grupo de Whatsapp. Os organizadores dizem que poderão ser exibidos cartazes e faixas com manifesto contra o governador do Estado, João Doria (PSDB) e palavras de ordem. A quarentena em Marília começou no dia 24 de março e deve seguir, conforme decreto estadual, até o próximo dia 22.

BUZINAÇO E INVESTIGAÇÃO

Um buzinaço e manifestação foram realizados em Marília no dia 17 de março, em frente a Prefeitura, pedindo a reabertura do comércio e o fim da quarentena. O ato virou caso de polícia.

A Prefeitura de Marília encaminhou três dias depois, ofício ao delegado Seccional de Polícia Civil de Marília, Wilson Carlos Frazão, solicitando providências sobre a manifestação. em frente.

"Informamos à Vossa Senhoria que na data de 27/o3/2020 de frente a Prefeitura Municipal de Marília foi realizada uma manifestação com aglomeração de pessoas, infringindo o contido no Decreto Estadual 64.881/2020 que determinou a quarentena no Estado de São Paulo", cita o documento.

"No local estava um carro de som de placa...incitando os indivíduos que lá estavam a praticar a desordem pública. Desta maneira solicitamos providências cabíveis acerca dos fatos narrados", completa o texto. No ofício foram anexadas mídias com vídeos da aglomeração.


INVESTIGAÇÃO EM BAURU, TAMBÉM

A Polícia Civil de Bauru instaurou um inquérito para investigar as manifestações realizadas também na sexta-feira (27) naquela cidade, que pediam a reabertura do comércio.

Os organizadores dos protestos que aconteceram na manhã em frente à prefeitura e na tarde do mesmo dia, uma carreata pela Avenida Nações Unidas, são alvos do inquérito que apura os crimes de associação criminosa e infração de medida sanitária preventiva.

Segundo as informações do boletim de ocorrência, houve aglomeração de pessoas durante a manifestação, o que contaria as medidas estabelecidas nos decretos municipal e estadual sobre as ações de prevenção ao coronavírus, além da incitação ao não cumprimento das medidas estabelecidas nos decretos. Dois organizadores dos protestos foram citados no boletim de ocorrência e são alvos das investigações