Buscar
  • Da redação

Vereadores "rebelados" se reunirão com o prefeito Daniel Alonso e exigirão manutenção do P


Prefeito Daniel Alonso recebe grupo liderado por Albuquerque na manhã desta quinta-feira


Vereadores que querem a cabeça do presidente da Câmara de Marília, Marcos Rezende (PSD) se reunirão na manhã desta quinta-feira (2) com o prefeito Daniel Alonso (PSDB) na Prefeitura. Deverão participar do encontro os vereadores Albuquerque, Marcos Custódio, Maurício Roberto, José Luiz Queiroz, Damasceno, Galete e João do Bar.

Sob a liderança do vereador líder de Alonso na Câmara, José Carlos Albuquerque (PSDB), ele vão pedir que o prefeito mantenha no Legislativo o projeto original (sem substitutivo determinando aplicação para 2021) do Plano de Carreira dos Servidores Públicos Municipais e também envie ao Legislativo um projeto de lei determinando um índice de reajuste salarial para a categoria, que tem data base nesta quarta-feira (1°).

"A reunião já foi agendada e vamos exigir do prefeito esta medida. de forma que possamos votar o projeto na Câmara ainda este mês, explicou Albuquerque ao JP.

Ele disse que o Projeto que está na Cãmara e deveria ser votado em sessão extraordinária ontem (31) foi "contaminado" de última hora por Rezende.

"Além do tal substitutivo, foram incluídos no projeto alguns cargos em cima da hora, sem definição do impacto na folha de pagamento da Prefeitura", afirmou Albuquerque.

Ele disse que o grupo quer votar os projetos este mês, de forma que os servidores possam receber o reajuste salarial já em maio. "Com o índice de reajuste sendo dentro do IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), que acumula variação de 6,81% nos últimos 12 meses. não tem conflito com a legislação eleitoral (que impede aumento salarial seis meses antes das eleições de outubro), pois trata-se de um direito adquirido pelos servidores municipais", garante Albuquerque.

O verador ressaltou que não será votado o Plano de Carreira do Servidores da Câmara Municipal, que prevê reajustes salariais entre 40% a 60%. "Esse projeto foi colocado em pauta na hora errada, num momento de extrema crise em todo o país", justificou. Este projeto foi retirado da pauta por Rezende horas antes da tumultuada sessão extraordinária desta terça-feira,





53 visualizações0 comentário