Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Com previsão de arquivamento, relatório final da "CP da Carteirada", envolvendo a vereador


Será realizada na próxima quinta-feira (3), às 9 horas, a sessão extraordinária para análise e votação do relatório final da Comissão Processante que investiga a possível quebra de decoro parlamentar e tráfico de influência da vereadora professora Daniela (PL).

A chamada "CP da Carteirada" foi aprovada por unanimidade pelo plenário da Câmara no final de agosto passado, após a Polícia Militar ter autuado e apreendido um veículo registrado em nome da vereadora, que na ocasião era dirigido pela filha dela.

O veículo foi abordado na madrugada do dia 16 de agosto (um domingo) e na mesma hora a parlamentar ligou para o celular da agora ex-comandante da PM em Marília, tenente coronel Márcia Cristina Cristal, alegando que o licenciamento do carro (vencido) tinha carência em função da pandemia.

Cristal ligou em seguida para o sargento PM Alan Fabrício Ferreira (que fez a autuação e apontou ainda pneus dianteiros "carecas" do veículo). No diálogo, a comandante disse: ""ela é vereadora, e você quem pensa que é?". Diz ainda que "que quem trabalha no trânsito tem que ter jogo de cintura e bom senso".

A convocação da extraordinária ocorreu antes do término da sessão ordinária desta segunda-feira, pelo presidente Marcos Rezende (PSD). A comissão processante teve como presidente do vereador José Carlos Albuquerque (PSDB), relator o vereador Professor Mário Coraíni Júnior (PTB) e terceiro membro o vereador João do Bar (PP).

RELATÓRIO DA COMISSÃO


O presidente da CP, Albuquerque, elaborou o que chama de relatório da Comissão, onde aponta que "ficou claramente restou caracterizado o tráfico de influência e a quebra do decoro parlamentar... No caso dos autos, as provas de depoimentos comprovam isso". Ele opina pela cassação do mandato da vereadora.

Sobre os trabalhos da Comissão, Albuquerque disse que "obteve o dever cumprido ao longo dos trabalhos", mas reclamou do que chamou de "inversão de valores, pois a Comissão foi instaurada para apurar se houve ou não quebra do decoro parlamentar da vereadora, não para apurar se os pneus do veículo estavam bons ou não, para apurar se o veículo foi periciado ou não foi periciado...Foi instaurada para apurar simplesmente a conduta da vereadora, que ligou a 1h22 da madrugada para a comandante, coisa que ninguém do povo faz..".


PIZZA

O prazo de conclusão da comissão processante é em 9 de dezembro (quinta-feira). Como dia 8 de é feriado municipal Rezende antecipou a votação da CP. Na sessão de votação da CP, cada vereador terá até 15 minutos para discursar na tribuna. Em seguida, a vereadora ou a defesa dela terá até duas horas para manifestação. A sessão extraordinária da próxima quinta-feira, será transmitida ao vivo pela TV Câmara.

Serão necessários nove dos treze votos em plenário, favoráveis à cassação, pra que a vereadora (reeleita este mês) perca o mandato.

Como o presidente da Casa só votará em caso de empate, a vereadora está impedida de votar pelas regras da CP e o suplente dela, Silvio Harada, não vai comparecer à votação, restarão teoricamente onze votos em plenário.

Com os votos já declarados à ela por Coraíni, João do Bar e Cícero do Ceasa, o destino final da CP deverá ser mesmo o "forno da pizza".






24 visualizações0 comentário