Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Agentes de trânsito da Emdurb apontam retaliações da diretoria após denúncias, diz Sindicato


A diretoria do Sindimmar (Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Públicos Municipais de Marília) divulgou que agentes de trânsito da Emdurb denunciaram novas retaliações.

Segundo carta enviada pelos agentes, foi afixada no painel de avisos do setor uma alteração brusca na escala de serviços dos agentes, que não foram consultados e sequer avisados previamente das mudanças que ocorrerão a partir de 2 de maio.

“Essa é a terceira mudança de escala que sofremos somente em 2021 e a quarta mudança em menos de um ano. Não pudemos nem nos adaptar totalmente a escala anterior e já mudaram de novo. Desde a nomeação do novo chefe do setor, já sabíamos que eles tentariam nos intimidar, aliás, essa nomeação foi a gota d’água para que os agentes se revoltassem de vez com a diretoria da Emdurb”, relatou um dos agentes.

"PERNA MOLE", "PERIQUETE" E "COVEIRO"

Eles apontam ainda que um assessor nomeado recentemente na autarquia, foi designado para chefiar o setor de fiscalização, no úiltimo dia 24. Ocorre que ele já ocupou a chefia do setor entre 2010 e 2011 e foi um carrasco da administração naquele tempo. Ele perseguiu e assediou os agentes de trânsito, chegando a colocar apelidos como “perna-mole”, “paniquete”, “coveiro” entre outros, numa clara tentativa de desestabilizar mentalmente os agentes. Objetivo era, naquela ocasião, que os funcionários se demitissem.

Além disso, fez mudanças repentinas nas escalas e postos de serviços, alterações de jornadas de trabalho, autoritarismo e intransigência foram suas marcas registradas. Ele solicitou e a diretoria da Emdurb demitiu pelo menos dois agentes naquela época, sem nenhum processo administrativo ou sindicância. Os dois entraram na Justiça e foram reintegrados.

Naquela época, os agentes de transito já tinham a denúncia de perseguição e assédio, pronta para encaminhar ao MPT (Ministério Público do Trabalho), quando a diretoria da Emdurb foi alterada durante a reviravolta política de 2011 e o referido assessor foi exonerado de suas funções.

Essa é mais uma forma de perseguição da diretoria, que o nomeou, pois sabia de todo seu histórico de perseguição e há tempos vinha ameaçando os agentes com essa nomeação.

“Sabemos que estamos sujeitos às mudanças nas escalas, pelo bom andamento dos serviços, mas o que fizeram agora é claramente uma retaliação pela denúncia que fizemos ao MPT. Essa é a terceira mudança no ano, fora as perseguições diretas e pessoais com alguns agentes. Inclusive o próprio assessor disse que não fazia nada sem anuência da diretoria, o que comprova a retaliação. Eles alegam que a mudança vai melhorar a vida dos agentes, mas em nenhum momento nós fomos consultados sobre isso, então como sabem que vai melhorar?

Pelo contrário, agora é mais um longo período de adaptação de nossas vidas pessoais, até que mudem de novo para nos desestabilizar mentalmente e tentar enfraquecer o nosso movimento mais um pouco. Temos pelo menos seis agentes em tratamento psiquiátrico, inclusive alguns afastados, com transtornos de ansiedade, depressão e stress extremo”, relatam os servidores.

O Sindimmar conseguiu agendar uma reunião para os agentes de trânsito com o vice-prefeito Cicero do Ceasa, que já está a par da maior parte das denúncias e com o secretário da Administração, coronel Marrcos Boldrin.

“Esperamos poder contar com a ajuda da administração para colocar um fim nesses tempos sombrios, pois tudo que vamos relatar ao vice-prefeito e ao secretário está num documento que será encaminhado à Corregedoria do Município e também ao Ministério Público. Começamos uma luta e não vamos parar até que o Executivo se posicione e ainda que prefiram não resolver o problema, levaremos ao conhecimento da Justiça para que possamos ter a chance de nos livrar desse pesadelo que se tornou a administração da Emdurb para com os agentes”, finaliza a carta.

OUTRO LADO

O JP tentou contaro com o presidente da Emdurb, Valdeci Fogaça, mas as ligações caíram na caixa postal. Recentemente, ele afirmou que as denúncias dos agentes foram "uma surpresa". Afirmou que os cerca de 100 funcionários efetivos e comissionados da autarquia são tratados de forma igualitária.

"Fico surpreso com isso (queixas). Faço reuniões aqui praticamente todos os dias, com todos os setores e nunca houve reclamações nesse sentido. Faço gestão pública aqui na empresa de forma transparente", afirmou o diretor da Emdurb. "Vou analisar isso para tomar as providências judiciais cabíveis", encerrou.



175 visualizações0 comentário