top of page
Buscar
  • Foto do escritor J. POVO- MARÍLIA

BATE-BOCA NA CÂMARA: Sindicato dos Servidores rebate fala de Nechar: "não vamos nos calar"


Sindicalista Vanilda Gonçalves e o vereador dr. Nechar: chapa quente!

A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Marília, Vanilda Gonçalves de Lima, se manifestou nesta terça-feira (28), sobre fala do vereador dr. Nechar, durante bate-boca com populares, servidores municipais e sindicalistas que estavam nas galerias da Câmara Municipal na sessão desta segunda-feira (27).

A dirigente sindical encaminhou um artigo (veja a íntegra abaixo) onde cita: “E você, o que você é? Indaga o nobre Edil, em sua tribuna no plenário magistral!

A população, preterida pelo governo encontra-se ávida por Direitos! Direitos??? Só se for de ser enganado, massacrado pelos candidatos e, pelos já eleitos, que ocupam e se apropriam do espaço público, como se fosse um puxadinho da casa do vizinho. “Aqui você não pode falar!” Onde o povo pode falar, ser ouvido e atendido? Na “Casa do Povo”, não lhe é permitido manifestação alguma. Exige-lhe o silêncio da opressão, o silêncio da subserviência aos mandos e desmandos do novo inquilino que a casa retorna, após manobras obscuras em uma certa madrugada.

Conforme divulgado pelo JORNAL DO POVO, o vereador dr. Nechar (PSB) protagonizou um bate-boca com o pessoal das galerias.

O parlamentar discursava na tribuna da Casa, durante o Pequeno Expediente, sobre causa animal, quando ouviu manifestações das galerias. "Vocês não podem falar aqui gente, pelo amor de Deus! Gente, respeita, pô, respeita! Vocês tem educação, todo mundo tem educação aqui, pô", disse Nechar aos ocupantes das galerias.

Em seguida ele disse: "Vocês não estão querendo respeito? Então respeita! Não julgue para não ser julgado. Tá na bíblia isso, tá?". Nesse momento a galeria aumentou o tom.

Quando baixou o tom, o vereador disse: "eu acho que eu poderia chegar para vocês e falar assim: "Se tem pessoal do sindicato aí? Eu ia falar: então eu não vou nem atender vocês. Qual é o problema?". O sindicato em questão é o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais.

Nechar também causou alvoroço ao se dirigir às galerias e dizer: "Eu não preciso... Acho bom vocês prestarem atenção no que eu estou falando que é melhor, não ficar boquejando aí minha senhora, vai!".

Em seguida, o vereador voltou à carga: "Não vou ficar discutindo com o pessoal, mas acho que o respeito é bom e barato".

Após breve pausa, Nechar seguiu o discurso na tribuna e novamente as galerias voltaram a se manifestar e o vereador rebateu, se dirigindo a um ocupante das galerias que cobrou melhorias na saúde: "O cara, se candidata, se candidata a prefeito, vai lá e resolve!".

O cidadão respondeu: "Você que é o político, parceiro". Nechar retrucou: "Sei, sou eu! E você? O que você é?". O tom voltou a subir e o cidadão completou nas galerias, se dirigindo a outro indivíduo: "Você viu a soberba, né? O que você é?". A campainha da presidência soou pedindo silêncio e Nechar encerrou o discurso na tribuna.

ARTIGO

Quem somos nós, população e servidores na luta por Direitos?

“E você, o que você é? Indaga o nobre Edil, em sua tribuna no plenário magistral!

A população, preterida pelo governo encontra-se ávida por Direitos! Direitos??? Só se for de ser enganado, massacrado pelos candidatos e, pelos já eleitos, que ocupam e se apropriam do espaço público, como se fosse um puxadinho da casa do vizinho. “Aqui você não pode falar!” Onde o povo pode falar, ser ouvido e atendido? Na “Casa do Povo”, não lhe é permitido manifestação alguma. Exige-lhe o silêncio da opressão, o silêncio da subserviência aos mandos e desmandos do novo inquilino que a casa retorna, após manobras obscuras em uma certa madrugada.

Servidores públicos, população, sindicato dos servidores públicos municipais....????? Quem somos nós, na luta por Direitos? Somos a população, os seus eleitores, os servidores, os contribuintes do IPREMM, os que, muitas vezes, abrem mão da família para se doarem ao serviço público, correm risco de morte pela explosão de uma panela de pressão, àqueles que acolhem a criança na creche, atendem o cidadão nas UBSs/USFs, transportam os enfermos aos hospitais e as crianças às escolas, preparam a alimentação escolar, cuidam e educam as crianças nas escolas, cuidam para que a água chegue até sua casa.

Na luta por Direitos.... Somos os subalternos, os oprimidos pela síndrome do “pequeno poder”, os relegados na lista das prioridades das políticas públicas, da pauta da valorização profissional, da negociação do dissídio, somos o povo sofrido, o servidor castigado com jornadas excessivas de trabalho, sendo obrigados aceitar as migalhas do pai patrão. Também podemos dizer ..... Não precisamos disso!!! Não merecemos isso!!! Não vamos aceitar isso! Não vamos silenciar, estamos na luta e vamos continuar!!! A nós, sim, os Edis devem Respeito!!!! Respeito vem de Casa, já diziam os anciãos, sábios da experiência da conduta humana.

Não vamos nos calar e a Casa do Povo, vamos frequentar! Logo, em nossa casa vão chamar. Mais cedo ou mais tarde, vão chegar. Daí será nossa vez de dizer: Não vamos nem atender vocês! Qual é o problema? Não preciso disso! Não venha nos julgar para também não serem julgados”. Está na Bíblia! Acho bom vocês prestarem atenção, a voz do povo é a voz de Deus!

Nós somos população, servidores, representantes sindicais! Com certeza, nas urnas, não vamos eleger nunca mais!!! Então, respeita!

Sou Mulher, cidadã, mãe, eleitora, professora, sindicalista, protetora do Direito e da Justiça!

Vanilda Gonçalves de Lima é presidenta do SINDIMMAR (Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Públicos Municipais de Marília)



162 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page