Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

COMBATE ÀS DROGAS: Vereador Galete traz Programa Recomeço, do Governo do Estado, para Marília


Atendendo o Requerimento n° 425, do vereador Evandro Galete (PSDB), encaminhado do Governo do Estado, a Prefeitura de Marília dará início ao Programa Recomeço, Políticas sobre Drogas. Os trabalhos serão realizados em parceria do município com o governo estadual, com intuito de prevenir o uso de álcool e outras substancias químicas , além de oferecer tratamento e acolhimento e reintegração na sociedade os dependentes químicos e alcóolicos.

Vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado, o programa oferece serviços de acolhimento, apoio socioassistencial, tratamento de saúde, qualificação profissional, educação financeira e garantia de direitos, a fim de tratar, capacitar, dar autonomia e reinserir no mercado de trabalho os beneficiários, por meio da inclusão produtiva e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários.

"É um programa que promove ações preventivas do uso indevido de substâncias psicoativas, com o enfrentamento ao tráfico de drogas, controle e requalificação de territórios específicos. Também oferece acesso à Justiça e à Cidadania, com apoio socioassistencial e tratamento médico aos dependentes de substâncias psicoativas, suas famílias e comunidade", explica Galete.

O primeiro passo para aderir ao Programa Recomeço: Uma Vida sem Droga é o de criar o comitê municipal de políticas sobre drogas. Após isso, elaborar o Plano de Ação Municipal, depois submeter a aprovação do Comitê Técnico Cientifico e do Grupo de Gestão Executiva o Plano de Ação Municipal. Publicar em âmbito municipal e assinar o termo junto à Secretaria de Desenvolvimento Social do Governo Estadual. A adesão ao Programa Recomeço não têm despesas financeiras para o município, exige-se apenas um trabalho criterioso por parte do Poder Público Municipal.

O programa envolverá as Secretarias da Educação com orientações nas escolas, da Saúde com exames Clínicos e Psiquiátricos, a da Assistência Social com acolhimento e de Direitos Humanos com a triagem.

"Um trabalho importante, já que infelizmente a epidemia de uso de crack tem uma tendência crescente e preocupa a toda a população", observa o parlamentar.

A estimativa da OMS para o Brasil é que existam 3% de usuários de crack, que implica em 6 milhões de brasileiros. Estudo da Unifesp patrocinado pela Senad demonstra que um terço dos usuários mantém uso e outro terço morre, sendo 85% dos casos relacionados a violência.

"Proporcionar condições para uma vida saudável e digna à população e auxiliar os dependentes de substâncias psicoativas, seus familiares e comunidade a trilharem da melhor maneira possível o caminho para recuperação e retorno a uma vida plena. Esse é o foco do Projeto que será desenvolvido em Marília", afirma Galete.



29 visualizações0 comentário