top of page
Buscar
  • Foto do escritor J. POVO- MARÍLIA

Detento é condenado a quase 8 anos de reclusão após ser pego com drogas na Penitenciária de Marília


Um detento que cumpre pena no anexo semiaberto da Penitenciária de Marília foi condenado a mais 7 anos, 11 meses e 8 dias de reclusão, em regime inicial fechado, após ter sido flagrado com drogas na Unidade. A decisão é do juiz Fabiano da Silva Moreno, da 3ª Vara Criminal do Fórum de Marília e cabe recurso. Ele cumpriu a pena anterior e poderá recorrer desta decisão em liberdade.

O CASO

Conforme os autos, Douglas Camargo dos Santos, no dia 2 de setembro de 2020, por volta das 6h, na Penitenciária de Marília, trazia consigo, para fins de tráfico de drogas, 54 porções de maconha, com peso líquido de 209,03g.

Segundo o apurado, durante vistoria de rotina na Ala “A” do Anexo Semiaberto, um agente penitenciário observou que Douglas carregava um pacote, sendo que, ao ser questionado, ele o jogou ao chão.

Relatou que estavam em uma blitz de rotina durante a aula. Observou que o réu estava com um pacote escondido, então pediu para que entregasse a ele, no entanto, ele jogou o pacote em uma ala, acreditando que alguém esconderia para ele.

Diante disso, alertou o acusado que seria uma falta grave, desobediência. O detento se alterou e começou a xingar todos que estavam no local, inclusive começou a instigar outros detentos e fazer apologia à facção criminosa, dizendo que era do partido, que era do crime, e que não iria ficar assim.

Narrou que em seguida, o réu foi encaminhado a uma cela de isolamento, e foram revistar o local onde estaria jogada a sacola plástica. Na revista, foi encontrada grande quantidade de maconha.

Esclareceu que, no regime semiaberto, eles dão o comando para retirarem a roupa, porém, antes de chegar a vez do réu, ele foi visto retirando o pacote da calça e o dispensando. Durante a revista, eles ficam a uns quatro metros de distância dos detentos, não tem dúvidas que foi o acusado quem dispensou o pacote.

DEFESA

O réu, em seu interrogatório em juízo, negou estava com drogas. Disse que tinha um aparelho celular, tendo reconhecido no dia dos fatos, sendo que, após o procedimento, o próprio chefe de plantão disse a ele que voltaria para o regime fechado por estar portando o celular.

Afirmou que, no dia do ocorrido, houve um motim, que em momento algum saiu de sua ala, ficou de frente a ala A, até ser levado para o isolamento, tendo o chefe de plantão presenciado os fatos. Os funcionários ficaram xingando a sua mãe, tendo reconhecido que estava com aparelho celular. Informou que não se lembra dos funcionários que depuseram em Juízo estar no local no momento dos fatos.

Foi transferido para o regime fechado e na oitiva, uma funcionária relatou que ele estava portando 54 porções de maconha, equivalente a 254 gramas de maconha.

Negou fazer parte da facção criminosa. Disse que, nesse dia, outros detentos também foram para o isolamento, mais de 13 pessoas. Não teve nenhum problema com esses funcionários, nunca nem os viu ou teve contato com eles. Sempre respeitou os funcionários.




116 visualizações0 comentário

Kommentare


bottom of page