Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Diocese de Marília rompe barreiras e ordena diáconos casados


No sábado à noite começou por Marília a ordenação de seis diáconos, com os bispos Luiz Antonio Cipolini e Osvaldo Giuntini (bispo emérito)


Rompendo barreiras e tradições, a Diocese de Marília realizou na noite de sábado e na manhã de domingo (14), a ordenação de 32 homens casados como diáconos permanentes.

A palavra diácono vem do grego que significa literalmente serviço. É o grau inferior do sacramento da Ordem, que é uma especial consagração por um dom particular do Espírito Santo o qual permite o escolhido por Deus e eleito pela Igreja a exercer um sagrado ministério em nome e com a autoridade de Cristo a serviço do Povo de Deus.

Tal sacramento é dividido em três graus: diaconado, presbiterado e episcopado. O presbiterado é a ordenação de presbíteros ou padres, que exercem o ministério sacerdotal para presidir e administrar o culto divino, dentre os quais, os sacramentos, especialmente a Missa, pregar a Palavra de Deus em nome da Igreja, e pastorear o Povo de Deus em comunhão com seu Bispo.

O episcopado é a ordenação de bispos, que além de serem sacerdotes, a eles é confiado uma Igreja Particular, isto é, uma diocese, uma porção territorial do Povo de Deus, o qual é auxiliado pelo seu presbitério e diáconos. Na diocese, o bispo é o princípio visível e o fundamento da unidade da Igreja, é vigário de Cristo e legítimo sucessor dos Apóstolos, fazendo parte do Colégio Episcopal, partilhando com o papa e os outros bispos a solicitude por todas as Igrejas, o qual se confia os ofícios de ensinar a Palavra de Deus em comunhão com o Magistério e a Tradição da Igreja, santificar o Povo de Deus mediante os sacramentos e sacramentais e governar este povo no caminho de Deus. No grau sacerdotal, ou seja, no presbiterado e episcopado somente é permitido a ordenação de homens celibatários, ou seja, solteiros, para se consagrar totalmente seu ministério e sua vida a Igreja.

No diaconado, entretanto, a partir do Concílio Vaticano II, em 1967 com o Motu Próprio Sagrada Ordem do Diaconado do Papa São Paulo VI, restaurou o diaconado permanente incluindo para homens casados. Assim, depois de muito discernimento e amadurecimento, a Diocese de Marília decidiu aderir esta proposta vocacional e desde 2014 abriu a

Escola Diaconal São Lourenço para cerca de 70 candidatos, destes 32 estão agora sendo ordenados.

O diácono não é ordenado ao sacerdócio, mas a serviço do ministério sacerdotal. Ele é configurado a Cristo servo de todos e sob a autoridade do bispo e em comunhão com o presbitério é ministro da Palavra de Deus, do culto divino,

da orientação pastoral e da caridade.

O diácono pode presidir a Celebração da Palavra de Deus e distribuir a Sagrada Comunhão; na Missa ele proclama o Evangelho e ajuda na organização do altar servindo o padre, comunicando o abraço da paz e despedindo os fiéis ao final da missa; pode presidir casamentos e batizados; realizar bênçãos, presidir as exéquias nos funerais; dar a bênção do Santíssimo etc. Podem assumir a orientação pastoral de movimentos, comunidades e pastorais e servir pastoralmente nas obras sociais da Igreja a autêntica diaconia da caridade.

Rezemos por nossos candidatos ao diaconado que serão ordenados nestes próximos dias para que, sem descuidar de suas famílias, sua primeira vocação, possam exercer com fidelidade o ministério diaconal a eles confiados. Com informações do padre Anderson Messina Perini, da Paróquia São Pedro Apóstolo de Garça.

Em Dracena, haverá ordenação de seis diáconos no próximo sábado, na missa das 19 horas na Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida. Os diáconos dracenense são Luiz Antonio Possari, Nivaldo Aparecido Mota, José Antonio da Cruz (Paróquia Nossa Senhora Aparecida) e Rodrigo do Nascimento Ribeiro (Santuário Nossa Senhora de Fátima). José Alípio Pereira é de Flórida Paulista e Dorival Nogueira Santana de Junqueirópolis.




197 visualizações0 comentário