Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Entrega de ofício na Câmara tem citação de fakes news, show de vacinação e coleira em vereador


Uma comitiva formada pelo secretário municipal da Saúde, Cássio Luiz Pinto, pelo Assessor Especial de Governo, Alysson Alex de Souza e Silva e pelo chefe de gabinete da Prefeitura, Márcio Espósito, esteve no final da manhã desta segunda-feira (26), na Câmara de Marília, oficializando a entrega de 18 folhas formato ofício com respostas à 23 questionamentos formulados pela Comissão da Covid do Legislativo, formada pelos vereadores Élio Ajeka, Ivan Negão e Vânia Ramos.

A comitiva do Executivo entregou o documento ao presidente da Câmara, Marcos Rezende, que estava acompanhado na bancada pela vereadora Vânia Ramos e um assessor de Ivan Negão, já que o vereador não compareceu por problemas de saúde. Élio Ajeka também não apareceu. No decorrer das formalidades, transformadas em coletiva de imprensa na Câmara, chegou o vereador Júnior da Batista. A coletiva e formalização de entrega do ofício quase foram canceladas porque Rezende sentia dores renais. "Vou tentar até quando der. Se não aguentar, vou me retirar", avisou.

"FAKES NEWS"

Alysson foi o primeiro a falar e centralizou seu discurso no que considerou "combate à inverdades e fakes news que espalham que a Prefeitura recebeu R$ 70 milhões para combater a Covid. Isso é uma inverdade". Disse que os recursos gastos desde o ano passado são uma junção de verbas municipais, estaduais e federais. Verbas federais e estaduais recebidas pela secretaria municipal da Saúde somam cerca de R$ 42 milhões. Outros cerca de R$ 30 milhões enviados pelo Governo Federal foram para a Prefeitura suprir perdas de receitas por conta da pandemia.

Alysson disse que a Prefeitura trabalha com transparência publicando todas as informações no respectivo Portal. "Essas fakes news e inverdades fazem parte do jogo político, mas trazem chateação".

"SHOW DE VACINAÇÃO"

Já o secretário municipal da Saúde, Cássio Pinto, destacou o quew classificou de "show de vacinação" contra a Covid em Marília. "Nossa cidade está em 145° lugar no Estado em vacinação e 10° lugar entre regiões do Estado com mais leitos de UTIs e estamos criando mais 18 leitos de transição".

Ele considerou exíguo o prazo de cinco dias que a Comissão da Covid deu no dia 24 de março para receber as respostas aos questionamentos.

O caso foi revelado pelo JP na sexta-feira (23). Houve reação do secretário da Saúde e a decisão de agendar a entrega do documento para hoje.

Cássio também criticou o que concordou como fake news. Citando a pandemia da Covid e a epidemia de dengue na cidade, disse que "não temos tempos de ficar atrás de fake news. Mas vamos responder no momento certo. Somos os mais interessados em trazer os fatos à luz e colocar as fake news na lata do lixo. Trabalhamos com seriedade", garantiu.

O secretário também entregou um documento de três laudas com dados sobre compras de testes de Covid feitos pela Prefeitura, em resposta a questionamentos feitos pelo vereador Eduardo Nascimento na tribuna da Casa, com ilações sobre superfaturamentos nesse quesito. "Economizamos pagando mais barato", garantiu Cássio. Considerou as manifestações do vereador como "palavras ao vento".

"TRABALHANDO COM AFINCO"

A vereadora Vânia Ramos disse que recebia as respostas levadas pelos representantes da Prefeitura para analisar e dar uma resposta à população. Seguia a linha das fake news, nesse caso, sobre "quem diz que a Comissão (da Covid) não trabalha. Trabalhamos com afinco, percorrendo as unidades de saúde e cobrando secretário da Saúde ".

"NENHUM VEREADOR USA COLEIRA"

Marcos Rezende agradeceu a presença da comitiva da Prefeitura na Câmara. "Diálogo e respeito", resumiu. Ressaltou a independência do Legislativo em fazer questionamentos à Prefeitura.

"Mas sem palco e desarmonia. Quem quer criar um mar revolto , torre de Babel, não tem consciência, como oposicionistas. Nenhum vereador usa coleira", comentou. Repetiu duas vezes uma frase avulsa" "Cérebro é algo maravilhoso e cada um deveria ter um".

O DOCUMENTO PROTOCOLADO

As respostas da Prefeitura aos questionamentos da Comissão da Covid trazem números financeiros relativos somente aos últimos seis meses (14/10/2020 a 14/4/2021), com gastos totalizados por grupos de despesas, como compras de materiais, produtos e insumos no combate à Covid. Nada detalhado em quantidades e valores unitários.

O documento não traz lista nominal de pessoas vacinadas contra a Covid, citando que não há decisão judicial com tal exigência e que a lei de proteção dados impede esse tipo de divulgação.

O relatório cita problemas com fornecimento de aventais e luvas (EPIs). O primeiro porque um fornecedor contratado está entregando as poucos. Além disso, aventais e luvas aguardam pregão presencial nos próximos dias para compras.



309 visualizações0 comentário