Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Garota de 16 anos e padrasto mataram e enterraram a mãe e a irmã dela, de 9 anos, em Pompéia



Segundo delegado que investiga o duplo homicídio em Pompeia (SP), indicação do local feita pela jovem de 16 anos reforça tese da sua participação. Mulher de 34 anos e menina de 9 estavam desaparecidas desde novembro do ano passa; companheiro da vítima é o principal suspeito

Está apreendida na CPJ, em Marília, a adolescente de 16 anos apreendida nesta terça-feira (2) como suspeita de participação no duplo homicídio de sua mãe e da irmã mais nova, cujos corpos foram achados enterrados na casa da família em Pompeia (SP), indicou à polícia o local exato onde estava a criança. Os corpos de Cristiane Arena, de 34 anos, e Karoline Vitória, de 9 anos, foram achados no quintal da casa, sob um contrapiso de concreto. As duas estavam desaparecidas desde o fim de novembro do ano passado. Segundo o delegado Cláudio Anunciato Filho, que comanda as investigações, essa revelação feita pela adolescente reforça a tese da sua participação no crime ao lado do principal suspeito, o ex-companheiro da vítima e padrasto da criança. "Ela [adolescente] não admite a participação, mas teve um momento logo após ser apreendida que revelou aos policiais, que estavam com dificuldade de encontrar o corpo da criança, que ele estaria perto de uma árvore e de uma piscina de plástico, onde realmente estava”, disse o delegado. O delegado explica que há pouco mais de uma semana a Polícia Civil recebeu uma comunicação do Conselho Tutelar de Pompeia de que uma família estaria sob cárcere privado e de que a filha adolescente teria sofrido abuso por parte do padrasto. "Fomos até a casa da família e encontramos apenas o suspeito e a adolescente, que foram levados à delegacia para nos ajudar a esclarecer o que aconteceu com as vítimas, que estavam desaparecidas. A garota disse que a mãe foi embora com a filha menor após conhecer um novo namorado, mas os depoimentos eram contraditórios e fomos investigar", explicou o delegado. Ao investigar o desaparecimento, a polícia descobriu que a mulher de 34 anos havia sido demitida de um emprego em Santa Mercedes, cidade onde ela chegou a morar, e recebido um valor de rescisão. Com os dados do cartão bancário, a polícia descobriu que o homem era quem movimentava a conta da mulher.


"A adolescente não admite nada em seu depoimento sobre a participação [no crime], e nem mesmo que mantém um relacionamento amoroso com o padrasto, mas já temos provas que a relação existe", disse Anunciato Filho. Em diligência na casa, os policiais encontraram o local reformado, com a construção de um contrapiso de concreto na parte dos fundos casa, e desconfiaram do crime. Para chegar aos corpos, os policiais precisaram utilizar uma retroescavadeira para quebrar a camada de concreto feita para tentar ocultar os corpos. Segundo o delegado, as mortes teriam acontecido no fim de novembro, com os corpos estando enterrados na casa desde então.



901 visualizações0 comentário