Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Justiça mantém prisão de empresário que trocou tiros com policiais. Ele segue internado sob escolta


O empresário Francis Vinícius Bez Angonesse, de 31 anos, segue internado sob escolta policial no Hospital das Clínicas de Marília e será preso após receber alta.

A decisão foi manifestada nesta quarta-feira (6) pela Justiça em Marília, negando pedido da defesa de Francis de revogação da prisão preventiva dele.

No despacho judicial, foi citado que o empresário não poderia ser colocado em liberdade, já que a decisão que converteu o flagrante em preventiva ocorreu levando em conta a necessidade de resguardo da ordem pública, em razão da gravidade concreta da infração cometida pelo indiciado, que fez vários disparos de arma de fogo e tentou matar dois policiais. O CASO

"Hoje eu vou matar ou morrer". Assim gritava Francis Vinícius (dono de um restaurante) ao constatar a chegada de policiais militares em sua casa, na Rua Monteiro Lobato, Jardim Dirceu, região central da Marília, por volta das 4h da madrugada. O Boletim de Ocorrência como homicído tentado.

Os PMs foram acionados por morador de um prédio que ouviu disparos de arma de fogo vindos na residência.

Um dos dois policiais acionou o interfone da casa. A mãe de Francis, de 57 anos, apareceu na janela e abriu a cortina, momento em que os policiais avistaram o rapaz portando uma arma grande, tratando-se de uma carabina calibre 12. Ele efetuou um disparo para cima dentro da garagem.

Os policiais se abrigaram atrás de poste e árvores e pediram reforço. Ato contínuo, policiais solicitaram para a mãe do rapaz pedir para ele largar a arma e sair com as mãos para cima. "Só queremos conversar", disseram.

Nesse momento, o atirador saiu de dentro da casa com uma pistola em punho com mira a laser, dizendo que mataria todo mundo.

Ele acionou a abertura do portão eletrônico e saiu atirando com uma pistola 9mm, atingindo o sargento PM João Fernando Silva, de 42 anos e o cabo PM Marcos Antonio da Silva, 45 anos.

Com a situação tensa, outros dois policiais que estavam com escudos se posicionaram para proteger os companheiros atingidos e efefuaram disparos em direção ao atirador. Um dos PMs disaparou seis vezes na direção dele, que foi atingido e caiu no chão, largando a pistola que portava, sendo dominado e algemado.

Como o cabo Marcos estava perdendo muito sangue, foi socorrido por uma viatura ao Hospital das Clínicas. Uma unidade do Corpo de Bombeiros socorreu o sargento João Fernando, atingido na perna esquerda, braço esquerdo e nas costas.

Francis foi atingido por três disparos, sendo dosi no flanco direito e um na cavidade abdominal, sendo socorrido também ao H.C.

ARSENAL NA CASA

A Perícia Técnica da Polícia Civil foi acionada para o local, onde esteve o delegado plantonista Pedro Luiz Vieira Machado, e apreendeu, além da pistola marca STI, 9mm, outra pistola Glock, além de uma carabina calibre 12.

Foram apreendidos ainda na casa três carregadores, cápsulas de projéteis de 9mm e 380. três carregadores, dezenas de cartuchos, entre eles 19 intactos de calibres 11 e 12 e uma balança de precisão usada para abastecer cartuchos, diversos frascos de pólvora, além de cartelas de espoletas e artefato explosivo.


87 visualizações0 comentário