Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Marília vive dia histórico com a inauguração de 100% das obras de tratamento do esgoto


Descerramento da placa inaugural da Obra do Século em Marília (Fotos: Mauro Abreu e Jornal do Povo)

Marília viveu um dia histórico nesta sexta-feira (11), com as solenidades de inauguração de 100% das obras de tratamento de esgoto aqui na cidade. Realizadas pela atual gestão, elas marcam a quebra de um tabu de quase 30 anos e consolidam a capacidade e empreendedorismo do prefeito Daniel Alonso (PSDB).

O evento contou com a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e do secretário Nacional de Habitação, Alfredo dos Santos, além de diversas outras autoridades e representantes de diversos segmentos da sociedade.

TRABALHO DA REPLAN, OBRAS E SANEAMENTO

A chamada Obra do Século ficou a cargo da empresa Replan, Obras e Saneamento, genuinamente mariliense. O diretor presidente da empresa, Reinaldo Pavarini, acompanhou a inauguração. "É uma grande honra para nós acompanharmos este evento, que marca de forma significativa a conclusão de importantes obras que significam um grande avanço e suporte decisivo para o desenvolvimento de nossa cidade, principalmente na atração de novas empresas e a conquista do chamado Selo Verde", disse Pavarini.

As solenidades ocorreram na Bacia do Palmital, localizada na Zona Leste de Marília. As Bacias do Pombo e do Barbosa já estavam prontas e em pleno funcionamento. Chamada de obra do século, as ETEs (Estações de Tratamento de Esgoto) deixarão um legado para as futuras gerações de marilienses, melhorando a saúde e a qualidade de vida da população, além de atrair novas empresas à cidade, passando a gerar mais emprego e renda.


Reinaldo Pavarini, diretor presidente da Replan, Obras e Saneamento


UM GRANDE PRESENTE PARA MARÍLIA

Ministro Marinho e o prefeito Daniel Alonso acionam um dos painéis da Estação de Tratamento de Esgoto do Palmital.

Ministro anunciou mais R$ 19 milhões para obras complementares no setor de saneamento em Marília

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que representou o presidente da República, Jair Bolsonaro, parabenizou Marília pela grande obra. “Tenho que agradecer a oportunidade de estar aqui em Marília e também ao prefeito Daniel Alonso pela receptividade. É a obra mais importante que um administrador público pode proporcionar à população, pois se retira do sistema de saúde vários tipos de doenças, melhorando a qualidade de vida os moradores. Por isso, Marília hoje tem muito a comemorar. Depois de 26 anos, a cidade ganha esse grande presente e Marília tem a sorte de ter um prefeito como o Daniel, que lutou e muito para que essa obra se tornasse realidade. Marília realmente é um município privilegiado e temos marilienses ilustres que compõem o nosso ministério.”

SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

O prefeito Daniel Alonso ressaltou a importância da obra. "A nossa gestão resolveu o maior problema ambiental de Marília e de mais de 90 municípios da região, já que todo o nosso esgoto era jogado in natura no Rio do Peixe e seus afluentes. Além de saúde e qualidade de vida, o tratamento de esgoto vai atrair novas empresas a nossa cidade e, consequentemente, mais empregos à população. Agradeço ao ministro Rogério Marinho e ao secretário Alfredo dos Santos pelo apoio para que essa obra tão importante se tornasse realidade em Marília. São muitas pessoas que deram suporte para a obra do tratamento de esgoto fosse concluída e deixou meu agradecimento a todos. É uma obra grandiosa, com 430 mil m² de construção, o que equivale a 80 estádios de futebol, que irá tratar 1.112 litros de esgoto por segundo, fazendo com que Marília atinja outro patamar e integre o seleto número de municípios que tem o seu esgoto tratado”. Em apenas três anos, Marília passou de uma das piores cidades no quesito saneamento básico para uma cidade que caminha rumo à universalização do serviço de tratamento de água e de esgoto. No ranking elaborado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Marília recebeu nota 2,33 em 2017. Em 2020, a nota pulou para 383,47.

30 ANOS DE INÉRCIA POLÍTICA Desde o início da década de 90 a população de Marília assistiu a um verdadeiro jogo de interesses políticos, que colocou de lado o mais importante: o desenvolvimento da cidade e a melhoria da qualidade de vida de toda a comunidade. Mesmo com intervenções da Justiça, ao longo de quase 30 anos os sucessivos prefeitos não conseguiram resolver o problema ambiental da cidade. Ao contrário, o que se viu foi o engavetamento do projeto por mais de uma década, entre 1995 e 2007. Em 2008, nova licitação prevê conclusão da obra para 2015, o que não aconteceu e fez com que o Ministério Público Federal passasse a investigar destinação dos recursos: R$ 55 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). A situação ficou ainda mais complicada com abertura de nova licitação em 2013, a um custo de R$ 108,9 milhões, com a construtora OAS. Em 2015, as obras são paralisadas devido à falta de pagamento, acumulando um prejuízo de R$ 38 milhões aos cofres públicos. No mesmo ano, a prefeitura anuncia a retomada da obra, porém, com um aumento no contrato que passou de R$ 108,9 milhões para R$ 137 milhões. A queda de braço entre a prefeitura, bancos públicos, Justiça, ONGs de Meio Ambiente e a população - a mais atingida pela inércia das administrações municipais que se sucederam ao longo de quase três décadas – não alterou o cronograma e as obras das ETEs foram completamente abandonadas até o final de 2016. O ano de 2017 marca um novo período na história política de Marília, com o mandato do prefeito Daniel Alonso. Desde o início de sua campanha, ele tornou público seu compromisso de entregar à população da cidade 100% do esgoto tratado. O chefe do Executivo agradeceu aos parceiros pela determinação e coragem em realizar essa obra grandiosa. “Em nome da população agradecemos ao Governo Federal, à Caixa, à Replan, à Câmara Municipal, ao Daem, ao Daee e ao Comitê de Bacias Hidrográficas do Aguapeí-Peixe pela parceria, viabilizando a realização da maior obra da história de Marília”, afirmou Daniel Alonso. Um dado interessante, mas que passa despercebido da maioria da população é a obra de infraestrutura subterrânea, necessária para a operação do complexo das ETEs. Foram instalados milhares de metros lineares de tubulações, dezenas de quilômetros de emissários, elevatórias e bombeamentos.

BACIA DO PALMITAL A ETE da bacia do Palmital, a terceira e última etapa do projeto, ocupa uma área de 157 mil m² na zona Leste da cidade, ao lado do distrito de Dirceu, com acesso pelo final da Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, que atenderá uma população de 109 mil habitantes. São duas grandes lagoas de aeração, medindo cada uma 133 metros de comprimento por 77,40m de largura e profundidade de 5 metros. Existem outras quatro lagoas de decantação, com 133m de comprimento por 7 metros de largura. Serão tratados 487 litros de esgoto por segundo na bacia do Palmital. POMBO E BARBOSA Em 2019 o prefeito Daniel Alonso já havia entregado as duas primeiras obras do sistema: a Bacia do Pombo e Bacia do Barbosa, já estão em pleno funcionamento, que juntas tratam 70% do esgoto de Marília. A bacia do Pombo recebe 209 litros/segundo e atende uma população de 47 mil pessoas das zonas Oeste e Norte. A bacia do Barbosa atende 85 mil pessoas da região central e da zona Sul com 416 litros/segundo de esgoto.

COMO FUNCIONAM AS ETES O funcionamento das três Estações de Tratamento de Esgoto – Pombo, Barbosa e Palmital - é dividido em sete etapas: Gradeamento – O esgoto que vem das residências contém em média 1% de matéria orgânica e 99% de água. A primeira etapa do tratamento é a retenção de materiais grosseiros, como lixo, em um sistema formado por grades. Desarenação – Na caixa de areia mecanizada, é feita a remoção dos sólidos presentes no esgoto, como areia, pedras, e detritos sólidos de pequeno tamanho, que passaram pelo gradeamento. Geração de Ar Difuso – Três geradores de ar difuso importados produzem o ar que será injetado nas lagoas de aeração, em alta pressão. O sistema é considerado rápido e eficiente, pois potencializa a proliferação de microrganismos que consumirão a matéria orgânica do esgoto, acelerando o processo biológico devido à utilização do ar difuso. O ar pode atingir uma alta temperatura que pode chegar a 100 graus. Lagoas de Aeração – Já sem sólidos visíveis, o esgoto é enviado para o tratamento biológico na lagoa de Aeração. Lá, ele é exposto à ação de microrganismos que promovem a degradação do esgoto e condensam em flocos, a matéria orgânica, que até então estava dissolvida no esgoto. Nesta etapa são feitas verificações das características do esgoto para adequação do processo de tratamento, tais como a quantidade de ar para a flotação das partículas e a separação da água dos flocos resultante desta primeira etapa de tratamento. Lagoas de Decantação – Após o tratamento biológico, o líquido resultante do processo é submetido a um processo de decantação. Os flocos formados vão para o fundo das lagoas, separando-se da parte líquida, que já está livre de impurezas. No fundo estes flocos se juntam a outros, formando o lodo. Leito de Secagem – O lodo produzido durante o processo de decantação será retirado do fundo das lagoas, desidratado, colocado para secar no leito de secagem e posteriormente será transportado para um aterro sanitário especializado. O material após seco pode ser utilizado em diversas aplicações, desde a construção civil, adubo ou ser descartado em aterro sanitário sem provocar danos ao meio ambiente. Devolução do Esgoto Tratado ao Meio Ambiente – O esgoto tratado é devolvido ao meio ambiente com aproximadamente 99% de pureza. Apesar de não ser potável, a água resultante do processo pode ser utilizada como água de reuso para lavagem de vias e praças públicas, irrigação, ou devolvida aos rios e córregos, sem poluir o meio ambiente, pois seu tratamento possibilita esse retorno à natureza sem nenhum tipo de degradação ou dano ambiental.



103 visualizações0 comentário