top of page
Buscar
  • Foto do escritor J. POVO- MARÍLIA

FIM DA MORDOMIA? Ministro Toffoli vota pelo fim de cela especial para presos com curso superior


O ministro mariliense Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF) votou a favor para declarar a inconstitucionalidade da prisão especial a pessoas com diploma de ensino superior. A Corte formou maioria nesse sentido nesta quinta-feira (30). O julgamento termina nesta sexta-feira (31).

Toffoli afirmou que "a mera formação no ensino superior, a priori e em tese, não agrega qualquer risco à pessoa privada de liberdade". Além disso, o ministro avaliou que o benefício fere os princípios da isonomia e da dignidade da pessoa humana.

"Ao propiciar a criação de ‘classes ou categorias’ de presos provisórios, independentemente de razões razoáveis que o justifiquem, esse benefício apenas transpõe para o sistema carcerário a mesma e intolerável divisão social desigual, injusta, discriminatória e aristocrata ainda hoje existente no seio da sociedade brasileira, contrariando valores consagrados pela Constituição", avaliou o ministro.

SÓ EM CASO DE AMEAÇA

De acordo com a maior parte dos ministros, não há justificativa para que pessoas submetidas à prisão recebam tratamento diferenciado com base no grau de instrução acadêmica.

Segundo o Supremo, pessoas com diploma de curso superior só poderão ter direito a prisão especial caso seja constatado algum tipo de ameaça à integridade física, moral ou psicológica delas pela convivência com os demais presos. Essa regra está prevista na Lei de Execução Penal e independe do nível de instrução do preso.

O caso passou a ser analisado pelo STF em 2015, quando a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou uma ação para derrubar a validade da norma. A regra estava prevista no Código Penal e era aplicada quando uma pessoa com diploma de curso superior precisava ficar presa de forma provisória até que recebesse a condenação definitiva da Justiça.

IGUALDADE

O ministro Alexandre de Moraes relatou a ação. Segundo ele, "a separação de presos provisórios por nível de instrução contribui para a perpetuação de uma inaceitável seletividade socioeconômica do sistema de Justiça criminal e do direito penal, tratando-se de regra incompatível com o princípio da igualdade e com o próprio Estado Democrático de Direito".

"A precariedade do sistema prisional brasileiro não legitima a concessão a pessoas com melhor instrução formal da possibilidade de serem encarceradas em acomodações distintas e, presumivelmente, melhores. Afinal, os direitos que a Constituição confere ao cidadão preso devem ser assegurados a todos indistintamente, não sendo possível considerar, absolutamente, qualquer justificativa idônea que preferencie o bacharel em detrimento das demais pessoas submetidas à restrição cautelar de liberdade", afirmou o ministro.

"Não me parece existir qualquer justificativa razoável, à luz da Constituição da República, que seja apta a respaldar a distinção de tratamento a pessoas submetidas à prisão cautelar, pelo Estado, com apoio no grau de instrução acadêmica, tratando-se de mera qualificação de ordem estritamente pessoal que, por si só, não impõe a segregação do convívio com os demais reclusos", acrescentou Moraes.

Já seguiram o entendimento dele, além de Toffoli, os ministros Edson Fachin, Cármen Lúcia, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso.

Fachin disse que "a separação pelo grau de instrução parece contribuir para uma maior seletividade do sistema de justiça criminal, que, mais facilmente, pune pessoas com menor grau de escolaridade, em violação ao princípio da igualdade".

"Ao analisar a norma, não verifico correlação lógica entre grau de escolaridade e separação de presos. Não há nada que informe que presos com grau de instrução menor são mais perigosos ou violentos que presos com grau de escolaridade maior ou vice-versa. Nada que diga que inserir no mesmo ambiente presos com graus distintos de escolaridade causará, por si só, maior risco à integridade física ou psíquica desses", afirmou o ministro.



61 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page