Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Padrasto agride e tortura enteados e mata um deles, de 7 anos, na região


Dione foi preso em flagrante após a mortes da criança

Objetos foram encontrados na casa do suspeito em Avaré (221 quilômetros de Marília). Segundo a polícia, irmão da vítima, de 10 anos, também teve vários ferimentos e contou que era torturado pelo padrasto com choques elétricos.

O homem que foi preso suspeito de torturar até a morte o enteado Carlos Henrique Santos do Carmo, de 7 anos, em Avaré (SP), utilizava fios elétricos e um balde com água para machucar o menino e o irmão dele, de 10 anos, segundo a Polícia Civil. De acordo com o delegado Levon Torossian, responsável pelas investigações, "a tortura consistiu em esganadura, socos, choques com fios elétricos, e o menor foi submergido em um balde de água no sentido de afogamento". Conforme o boletim de ocorrência, os policiais apreenderam dois cabos de energia pretos, um balde vermelho, um par de luvas e um porrete de madeira na casa do suspeito, na zona rural. Os objetos foram periciados. "Foi encontrado fio elétrico, o balde, a luva que o rapaz usou para esganar os meninos, de certo para não ficar alguma marca e, com base nessas certezas todas, nós ratificamos a voz de prisão dada a esse padrasto e ele está sendo autuado pelo crime de tortura qualificada pelo evento morte da vítima”, afirma o delegado. Dione Teixeira dos Reis, de 28 anos, foi preso em flagrante. Ainda de acordo com a Polícia Civil, ele negou as agressões e disse que o menino se afogou com o pão e leite que consumiu no café da manhã. Padrasto é preso suspeito de torturar menino de 7 anos até a morte em Avaré A mãe dos meninos também foi levada à delegacia para prestar depoimento e foi liberada. Ela alegou que não sabia das agressões e que estava trabalhando no momento do ocorrido, mas ela também será investigada, informou a polícia. De acordo com o Conselho Tutelar de Avaré, o irmão da vítima, de 10 anos, já está com o pai em Pardinho e será acompanhado pelo órgão. O Conselho Tutelar também informou que vai apurar todos os relatos e notificar nesta quinta-feira (5) o Ministério Público e a Vara da Infância e da Juventude sobre o caso. Crime Carlos Henrique foi morto nesta quarta-feira (4). Segundo a Polícia Militar, uma equipe estava em patrulhamento pela Vila Esperança quando encontrou o menino caído próximo a casa onde morava com o padrasto, enquanto uma vizinha tentava reanimá-lo. “Os levantamentos que nós fizemos até esse momento foi que, diante da tortura que esse menino estava sofrendo, ele conseguiu ir até a rua para pedir socorro diante do padrasto. E na rua ele recebeu os primeiros socorros. Segundo o padrasto, ele mesmo teria feito reanimação no menino. Neste momento, a viatura da PM estava passando e foi ao auxílio do menor”, relata Torossian. A criança foi socorrida para o hospital, mas a PM informou que ele já deu entrada morto na unidade. No local, os médicos constataram que o menino tinha muitos machucados pelo corpo, inclusive nas partes íntimas, e o irmão dele, de 10 anos, contou aos policiais que o padrasto os torturava com choques elétricos. “Diante da grande quantidade de hematomas pelo corpo todo, levantou-se a suspeita de algo mais grave. Além dessa menor vítima, tinha o irmão dela. Ao questioná-lo, ele confessou que, nesta manhã, o padrasto tinha torturado as crianças, principalmente o menor que veio a óbito”, continua o delegado. Segundo a Polícia Militar, o menino de 10 anos estava com os dois olhos roxos, queimaduras de cigarro e muitos hematomas. Ele foi levado ao hospital, passou por atendimento e foi ouvido pela polícia com o apoio do Conselho Tutelar. Depois, ficou sob os cuidados do pai. O velório de Carlos Henrique será realizado na manhã desta quinta-feira (5) no Velório Municipal de Pardinho, onde ele morava com o pai, e o enterro está marcado para as 10h30 no Cemitério Municipal da cidade.




213 visualizações0 comentário