Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

População rejeita e sobram doses da Coronavac, em Marília. "Tome akytiver", orienta Prefeitura


Ao contrário de outras vacinas contra a Covid, como a AstraZeneca e a Pfizer, onde a corrida pelo cadastramento virtual no site da Prefeitura de Marília faz esgotar os agendamentos em menos de dois minutos, doses da vacina Coronavac (do Instituto Butantan) estão sobrando aqui na cidade.

Prova que a população não confia nesta vacina. O mais flagrante exemplo disso foi a abertura do cadastramento para doses da Coronavac que deverão ser aplicadas neste sábado (26) pela secretaria municipal da Saúde. Cerca de 113 doses da Coronavac ainda estavam disponíveis para agendamento na noite desta sexta-feira. O link servicos.marilia.sp.gov.br/imunizamarilia está disponível até às 7h desse sábado (26).

O agendamento virtual para doses da vacina da Pfizer, aberto também hoje pela Prefeitura para aplicações amanhã (26), se esgotou em poucos minutos.

Ciente da rejeição à Coronavac, pois pessoas se recusavam a tomá-la quando chegavam nos locais de vacinação, a Prefeitura passou a divulgar antes do agendamento as marcas que estariam disponíveis.

Isso fez aumentar a sobra de doses da Coronavac, pois muitas pessoas que descobriam a marca da vacina apenas na hora da aplicação, tomavam a mesma "para não perder tempo e a viagem".

A Prefeitura citou em Nota nesta sexta-feira que a rejeição dos agendados na hora de tomar a Coronavac estava "tirando a oportunidade da outra pessoa que quer se salvar e se livrar desse vírus".

As doses que não forem aplicadas serão enviadas para os postos de saúde na próxima semana quando novas ações e baixa da faixa etária serão divulgadas.

"TOME AKYTIVER"

Um baner divulgado pela Prefeitura nesta sexta-feira aborda o tema e suegre para a população não ficar escolhendo marca de vacina contra a Covid.

"Quando chegar a sua vez, tome akytiver. A covid-19 não escolhe quem ela vai intubar, sequelar ou matar”, cita a mensagem.


EFICÁCIA DE CADA VACINA

Muito já se falou sobre quão eficazes são as vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas pelas várias fabricantes de medicamentos. Umas protegem mais do que outras, mas todas se têm mostrado fortes mecanismos para combater a Covid-19. Recorde agora a eficácia de cada uma no combate à doença viral.

Pfizer

A farmacêutica Pfizer, parceira da BioNtech, na última atualização dos resultados da vacina afirmou que a sua eficácia é de 95%, ao contrário dos 90% que apresentou anteriormente. Esta foi a primeira vacina a ser aprovada e a divulgar os seus resultados.

Segundo a farmacêutica, foram recolhidos os dados de segurança necessários que permitam avaliar este nível de eficácia, que mostrou ser consistente com os dados demográficos de idade e etnia.

Além disso não foram identificados efeitos colaterais significativos, um sinal de que a imunização poderia ser amplamente utilizada em todo o mundo. A eficácia em adultos com mais de 65 anos, que estão particularmente sob risco de contrair o vírus, foi superior a 94%.

Moderna

A Moderna anunciou no final de novembro que a sua vacina contra a Covid-19 é 94,1% eficaz na prevenção da doença e que é segura. Esta foi a segunda farmacêutica a pedir autrização para uso de emergência do seu fármaco, depois da Pfizer.

A última análise da Moderna avaliou 196 infecções confirmadas por Covid entre os 30 mil participantes do estudo em estágio final. A empresa disse que 185 casos de Covid foram observados no grupo do placebo contra 11 casos observados no grupo que recebeu a vacina, o que resultou em uma eficácia de 94,1%.

Além disso, a vacina também aparenta conseguir evitar que os voluntários fiquem gravemente doentes com o vírus. Dos 30 casos graves de Covid-19 no ensaio clínico, nenhum estava no grupo que recebeu a vacina, segundo a Moderna. Registou-se ainda uma morte devido à Covid-19 no grupo do placebo, de acordo com a empresa.

AstraZeneca

A vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e de Oxford mostrou uma eficácia de 82,4% com um intervalo de três meses entre as duas doses, de acordo com um estudo que reforça a decisão do Reino Unido de espaçar mais o intervalo entre as duas doses, para vacinar o maior número de pessoas numa primeira fase.

O fármaco também pode reduzir significativamente a transmissão do vírus, de acordo com a análise dos dados dos ensaios realizados pela Universidade de Oxford, que desenvolveu a vacina em conjunto com a empresa farmacêutica britânica. As amostras retiradas dos voluntários no ensaio mostraram uma redução de 67% na transmissão após a primeira dose, mostrou o relatório.

A vacina também mostrou 76% de proteção após a primeira de duas tomas, de acordo com os novos dados. Este nível de imunidade foi alcançado após um período inicial de 22 dias a partir da primeira dose.

Novavax

Os ensaios clínicos da vacina contra a covid-19 da Novavax mostraram uma eficácia de 89,3%, declarou a empresa de biotecnologia norte-americana num comunicado, que divulgou os resultados dos testes de fase 3.

Entretanto, a vacina é muito menos eficaz contra a variante identificada pela primeira vez na África do Sul, que os cientistas consideram ser mais contagiosa. A empresa vai começar imediatamente o desenvolvimento de uma nova versão da vacina visando esta variante, segundo o comunicado.

Os ensaios clínicos, conduzidos no Reino Unido, envolveram 15 mil pessoas com idades entre 18 e 84 anos, 27% das quais tinham mais de 65 anos. A primeira análise interina foi baseada em 62 casos de Covid-19, dos quais 56 foram observados no grupo de placebo, contra seis casos entre aqueles que receberam a vacina NVX-CoV2373.

Johnson & Johnson

A vacina de uma só dose da empresa norte-americana Johnson & Johnson (J&J) gerou uma forte proteção contra a covid-19 num grande ensaio em fase adiantada, aumentando a esperança de que possa rapidamente ser acrescentada às campanhas de imunização.

No ensaio com mais de 44 mil pessoas, a vacina evitou 66% dos casos moderados a graves de covid-19, de acordo com uma declaração da empresa emitida na última semana. Além disso, foi particularmente eficaz na prevenção de doenças graves, prevenindo 85% das infecções graves e 100% das hospitalizações e mortes.

Com base no resultado, a J&J espera uma autorização de utilização de emergência em março e poderá ter as vacinas prontas a enviar nessa altura. No entanto, a empresa não especificou quantas doses da vacina estarão disponíveis imediatamente.

Sinopharm

Os ensaios clínicos da vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinopharm para prevenir a Covid-19 apontaram uma eficácia de 86%, mas o Peru suspendeu os testes devido a “um acontecimento adverso” e existe uma preocupação quanto à falta de transparência em torno da vacina.

O Grupo Sinopharm é uma empresa farmacêutica estatal da China. Tem duas candidatas à vacina na fase final dos ensaios internacionais. As vacinas não estão sendo testadas no país porque a prevalência doméstica do vírus é muito baixa na China.

A Sinopharm está entre duas empresas farmacêuticas chinesas (a outra é a Sinovac) a ter criado a vacina através do método mais tradicional: utilizar um vírus inativo para desencadear uma resposta imunitária. São mais difíceis de fabricar rapidamente do que as outras e têm o potencial de causar uma resposta imunitária desequilibrada, mas têm demonstrado sucesso.

Sputnik V

A vacina russa chamada ‘Sputnik V’ tem uma eficácia de 91,6% contra a covid-19, de acordo com os resultados da fase três dos ensaios clínicos publicados na revista científica The Lancet. O resultado vem cinco meses depois de a Rússia ter aprovado o uso e distribuição da vacina no país.

O estudo revisto por pares foi publicado no The Lancet. Muitos dos autores estão ligados ao Ministério da Saúde da Rússia, segundo a publicação.

Coronavac

A CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, tem eficácia geral de 50,38%. Esse percentual, segundo o governo, se refere aos estudos feitos no Brasil, que foram realizados com profissionais da área da saúde, mais expostos ao vírus.

Já o resultado de eficácia dos casos leves, em pacientes que precisaram receber alguma assistência médica, foi de 77,96%, sendo que sete pessoas haviam recebido a vacina, e outras 31, placebo.

A vacina é armazenada em temperatura de geladeira, entre 2ºC e 8ºC.




308 visualizações0 comentário