Buscar
  • J. POVO- MARÍLIA

Secretário da Saúde, Cassinho, aponta "alívio" com quedas na pandemia e pede cuidados à população


Secretário da Saúde, Cassinho, conferindo lotes de vacinas da Covid

O secretário municipal da Saúde, Cássio Luiz Pinto Júnior, considera "um alívio" as quedas do número de mortes, internações pela Covid e ritmo de transmissões do coronavírus em Marília.

Ao mesmo tempo ele alerta: "a população tem que continuar fazendo a parte dela, se protegendo com todas as medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus. Não devemos baixar a guarda".

As taxas de ocupação de leitos de UTIs da Covid, por exemplo, que entre março e maio chegaram a ficar em 100%, com pacientes sendo transferidos para outras cidades, agora estão na faixa de 60%, caindo para 50%.

Óbitos pela doença em Marília somam 899 e nesta semana houve dois dias sem registros de mortes.

VARIANTE DELTA POR AQUI

Sobre o registro de um caso da variante Delta do coronavírus em Marília, confirmado pelo Instituto Adolfo Lutz nesta nesta sexta-feira, Cassinho disse que o home infectado já cumpriu isolamento, foi acompanhado com tratamento e se recuperou. "A esposa dele também testou positivo, mas não teve sintomas. Eles estiveram na casa de familiares em Ibirarema (89 quilômetros de Marília), onde contraíram esta modalidade do vírus. Mas foram feitos todos os procedimentos e monitoramento, como nos casos do vírus normal e está sob controle", disse o secretário. Ele ressaltrou que todas as vacinas têm eficácia contra a variante Delta. "Uma mais, outras menos, mas todas têm".


RITMO ACELERADO DE VACINAÇÃO

Cassinho também avaliou como "bastante positivo" o ritmo de vacinação contra a Covid em Marília. A cidade já atingiu quase 100% de vacinação na primeira dose e avança bem na segunda dose. Marília está as primeiras cidades do Estado que mais vacinam contra a Covid.

Acima de 25 anos, há doses disponíveis nos postos de saúde, sem a necessidade de agendamento.

"Sobre 18 anos ou mais, lideramos. Aguardamos a cherga de novos lotes de vacinas para definir o calenário de vacinação de 12 a 17 anos", explicou Cassinho. Ele observou que parte dos jovens ainda resistem em tomar a vacina. "Se sentem imunes".

Os locais de vacinação, ginásios de esportes da Unimar e da Faip, são amplos e permitem distanciamento, segurança e agilidade na vacinação, com agendamento. O tempo médio de cada pessoa é de apenas 20 minutos. Em algumas cidades, as pessoas aguardam horas nas filas de vacinação.




32 visualizações0 comentário