top of page
Buscar
  • Adilson de Lucca

Viúva negra e amante são denunciados por morte do marido. Carro passou cinco vezes sobre o corpo dele, que ainda foi espancado


Alini com o marido, Adriano, vítima de um plano macabro em triângulo amoroso

Os amantes Alini Lilian Guedes, de 33 anos e Luís Henrique Bezerra da Silva, de 29 anos, foram denunciados pelo juiz o juiz Luís Fernando Vian, do Fórum de Getulina, após ação do Ministério Público, pela morte de Adriano Silva Barreto, de 37 anos, que foi atropelado, espancado e morto em Guaimbê. Ele era marido da acusada.

O juiz   não aceitou o pedido de prisão dos dois suspeitos de ocultação de cadáver.

Além do casal de amantes, outros dois também se tornaram réus por participação na ocultação do cadáver. Um adolescente também é apontado por envolvimento na ocultação do corpo, mas não foi denunciado pela Promotoria.

Alini e o amante Luís Henrique foram denunciados por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Eles também são acusados de ocultação de cadáver.

Alini Lilian Guedes vivia em uma relação estável com a vítima Adriano Silva Barreto, com quem teve um filho. Apesar disso, estava envolvida em um relacionamento extraconjugal com o denunciado Silva.

A viúva negra queria se livrar da vítima para ficar com o amante. Por isso, mentia dizendo que Adriano a agredia. A denúncia afirma que ela dizia para Luís Henrique que sonhava com a morte do marido, para que pudesse ficar junto com ele.

Conforme a denúncia, Alini convenceu Luís Henrique a cometer o crime, o ajudando na execução, consumação e ocultação do cadáver. Ela atraiu a vítima para a rua durante a madrugada, proporcionando a ocasião em que Luís Henrique o atropelasse fatalmente, forjando um acidente.

A mulher se aproveitou que o marido estava embriagado e o convenceu de saírem para caminhar na rua. Em seguida, mandou uma mensagem para o amante pelo celular da filha (fruto de relacionamento anterior). Quando estavam andando, ela começou a caminhar na frente da vítima, a fim de possibilitar o atropelamento intencional.

Luís Henrique atropelou Adriano, sendo que a força do atropelamento fez a vítima cair, mas não foi fatal. O acusado então deu marcha à ré e passou com o carro por cima da vítima mais uma vez. As manobras de ir e vir teriam sido feitas por pelo menos cinco vezes, sendo que não satisfeito, ainda teria desferido pauladas na cabeça da vítima.

A execução do homicídio foi acompanhada por Alini, pela sua filha de 14 anos e o filho dela com Adriano, de apenas seis anos de idade.

Após ter certeza de que a vítima tinha falecido, Luís Henrique teria ido até sua casa e mentido para o pai, dizendo que tinha atropelado uma capivara. Teria pegado então outro veículo, ido até onde estava o corpo e o colocado no porta-malas.

Alini determinou que o melhor seria enterrar o corpo no quintal da casa de Luís Henrique. Na terça-feira (5), chamou um adolescente até sua casa, mostrado o corpo e dito que tinha matado a vítima, ordenando que ajudasse a cavar uma cova. Após cavarem a cova, antes de colocarem o corpo, Luís Henrique teria saído para beber.

Depois de enterrarem o corpo, lavaram o carro onde o corpo tinha ficado. Para ocultação do cadáver, teriam recebido o auxílio de um ex-cunhado de Adriano, na companhia do filho.




261 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page