top of page
Buscar
  • Por Adilson de Lucca

Vinícius e Camarinha negam propriedade da CMN em audiência na Federal. "Armação de adversários"


"Armação de adversários políticos". Assim o ex-prefeito Abelardo Camarinha e seu filho, o atual deputado estadual Vinícius Camarinha, trataram a ação da Justiça Federal que investiga eles como reais donos da lacrada Central Marília Notícias (CMN - Jornal Diário e Rádios Dirceu AM e Diário FM).

Resultado da famosa Operação Miragem, deflagrada em 2013 pela Polícia Federal e que resultou o fechamento das empresas de comunicação em janeiro de 2017.

Após o encerramento do inquérito na PF, o Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra os acusados, a qual foi acatada pela Justiça Federal, constando falsidade ideológica, uso de ‘laranjas’ para ocultar a verdadeira propriedade da CMN, lavagem de dinheiro e coação de testemunha.

PRISÕES E "CIDADE QUE NÃO EXISTIA"

A emblemática operação provocou, em agosto de 2016, cinco pedidos de prisões de suspeitos de serem "laranjas" da CMN. Dois pedidos de prisões temporárias foram cumpridos. Os outros foram revogados cerca de dez dias depois, após expedições de habeas corpus em favor do acusados.

À época, a PF anunciou inclusive lavagem de dinheiro no exterior (evasão de divisas) pelos investigados.

O nome da operação, dado pela PF em Marília, foi uma referência ao fato da CMN "mostrar uma cidade que não existia, sem problemas, sem refletir a realidade da cidade", conforme declarou o então delegado, Fernando Menin.

Sandra Mara Norbiato, de Ribeirão Preto, apontada como dona fictícia das empresas de comunicação, fez delação premiada no MPF, em outubro de 2016, onde relatou que de fato atuava como proprietária "laranja" e recebia R$ 2.500 mensais para isso. Ela era esposa de Antonio Carlos dos Santos, que a indicou para a "função". O casal foi preso na Operação Miragem, em agosto de 2016.

Outro indivíduo apontado como "laranja", Marcel Augusto Certain, ex-cunhado de Sandra Mara, chegou a registrar declaração em cartório confirmando sua "posição nas empresas".

Vinícius Camarinha sendo entrevistado nos estúdios da Rádio Diário FM


AUDIÊNCIAS

Na reta final da ação judicial, que corre em segredo de justiça, ocorreram duas audiências na 2ª Vara Criminal da Justiça Federal, em Marília, sob o comando do juiz Ricardo William Carvalho dos Santos.

Uma delas no dia 2 deste mês (que começou as 14h e foi até a "boca da noite"), quando foram ouvidas testemunhas de defesa e acusação e outra nesta quarta-feira (8), com os depoimentos de acusados (sete réus), entre eles Abelardo e Vinícius Camarinha, que foram "inseridos" na ação em 2017.

O advogado de defesa deles, Cristiano Mazeto, afirmou após as audiências que “todos os réus negaram a participação deles nos fatos denunciados. Ficou a impressão de que a delação de Sandra Mara Norbiato e do ex-marido dela foi para se livrarem de outras punições mais severas. Sem exceção, todos os que foram ouvidos negaram que Abelardo e Vinicius fossem donos dos órgãos de comunicação, disseram que nunca eram vistos por lá etc.”.

Já Abelardo e Vinícius, em nota conjunta através da assessoria, resumiram a situação: “Trata-se de uma armação política organizada por nossos adversários. Esta ação não possui qualquer lastro com a realidade. E, ao fim do processo, a verdade estará restabelecida. Aguardemos o seu final”.





173 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page