Upa completa 1 ano com mais de 114 mil atendimentos e gestão eficiente da Unimar

May 24, 2017

Próximo passo, a ser implementado pela Unidade, é o prontuário eletrônico, que vai permitir um melhor acompanhamento dos pacientes que são atendidos na unidade de saúde

 

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da zona Norte de Marília completou, no último dia 14, um ano de funcionamento. Neste período, em meio a problemas com repasses por parte da Prefeitura de Marília e outras questões, chegou a números extraordinários. Os atendimentos bateram a marca dos 114.570. A unidade atende clínica médica, odontologia, ortopedia e traumatologia, pediatria e atendimento de assistência social.

O diretor Luiz Doretto destaca que a Unidade conta com cerca de 230 profissionais (entre médicos, enfermeiros, assistente social e técnicos), que fazem todos os atendimentos seguindo o protocolo de Manchester, que define a prioridade por meio de pulseiras coloridas. Ao chegar no local, o paciente é avaliado, para definir o grau de urgência. As cores são divididas em vermelho (urgência), laranja (muito urgente), amarela (urgente), verde (pouco urgente) e azul (não urgente).

“Quem recebe a fita vermelha é atendido imediatamente, pois o seu quadro de saúde representa risco de morte. Já os pacientes com a pulseira amarela, podem esperar até 50 minutos, pois o seu quadro não é de gravidade.

Quem recebe a pulseira verde pode esperar até o máximo de até duas horas”, explica Doretto.

Conforme o profissional, a média de atendimento diário na UPA da zona Norte é de mais de 300 pacientes. “Por mês o atendimento chega a quase 10 mil pessoas. Isso representa um avanço bastante positivo, pois desafoga o Hospital das Clínicas, que era quem recebia esse volume depacientes, antes de a UPA começar a funcionar”, destacou.A diretora superintendente da ABHU (Associação Beneficente Hospital Unimar), que é responsável pela gestão da UPA zona Norte, Márcia Mesquita Serva Reis, ressalta o empenho da equipe para garantir a qualidade do atendimento. “Nós temos uma equipe muito empenhada, que está conosco desde o início. Foram poucas as mudanças e todos entenderam que é fundamental atender os pacientes da melhor maneira possível, para resolver o problema que cada um está enfrentando”, ressaltou.Segundo Márcia Serva, outro aspecto positivo é que a UPA zona Norte ajudou a melhorar o atendimento no Hospital das Clínicas. “A partir do funcionamento da UPA nós ajudamos a desafogar o atendimento no HC, queantes da UPA atendida mais de 10 mil pessoas e agora, conforme foi apresentado por eles na recente inauguração das novas instalações, que esse atendimento vai chegar no máximo a 2,5 mil pessoas mês. Isso significa que a UPA está fazendo o trabalho dela, atendendo as pessoas e, dando resolutividade e encaminhamento somente se necessário”.A UPA zona Norte é um serviço intermediário entre a atenção básica e as unidades hospitalares (terciário). Trata-se de uma unidade de saúde com portas abertas ao publico, que funciona 24hs, com intuito de atender casos de urgência e emergência. A UPA integra a rede de urgência e emergência do município, juntamente com o PA Sul, sendo a porta de entrada para os pacientes que necessitarem de encaminhamento para atendimento hospitalar. Almeja-se atender os usuários que necessitam de avaliação médica de urgência, solucionando os casos pontualmente e encaminhando os que necessitarem do atendimento terciário.PRONTUÁRIO / Doretto anunciou que o próximo desafio da UPA zona Norte é implantar o sistema de prontuário eletrônico, como forma de melhorar ainda mais o atendimento aos pacientes. A proposta é implantar um sistema informatizado, que será responsável pelo cadastro de todos os pacientes e os procedimentos adotados quando do atendimento na UPA zona Norte.Dessa forma, segundo o diretor, será possível fazer um acompanhamento mais detalhado da situação de cada uma das pessoas que são atendidas na Unidade. “A partir do prontuário eletrônico, será possível melhorar ainda mais o atendimento. Ao dar entrada para ser atendido, será apresentada a informação sobre o paciente, se ele já esteve na UPA, que tipo de atendimento recebeu, quais medicamentos foram ministrados e qual o quadro de saúde que apresentava. Isso vai dar uma qualidade ainda maior no atendimento a estes pacientes”, ressaltou.A UPA utiliza como referência na Classificação de Risco o protocolo de Manchester, o qual subsidia a avaliação do quadro clínico do paciente para ser encaminhado ao atendimento médico, conforme urgência do caso.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black