MPT pede extinção do MAC por calotes, desacordos judiciais e lambanças em gestões

May 25, 2017

 

 

 

Uma Ação Civil Pública instalada pelo  Ministério Público do Trabalho pode resultar  a extinção do Marilia Atlético Clube. Uma avalanche de ações trabalhistas e seguidos descumprimentos de acordos na Justiça Trabalhista resultaram na iniciativa do MPT. Amanhã (sexta-feira) o presidente do MAC, Antonio Carlos Sojinha, deverá estar em audiência as 8h30 na 1ª Vara do Trabalho em Marília.

Outras opções que poderiam ser adotadas em relação ao Clube, segundo o procurador Marcus Vinícius Gonçalves, seriam a intervenção judicial por pelo menos seis meses ou o pagamento de R$ 1 milhão a título de reparação pelos danos causados aos direitos difusos e coletivos dos trabalhadores.

Ele elaborou um relatório onde cita qu “a administração, de forma leviana, não cumpriu com a sua obrigação de depositar judicialmente os percentuais dos contratos de patrocínios e das rendas dos jogos, apropriando-se indevidamente desses valores, em frontal prejuízo aos créditos trabalhistas”. Citou num prazo recente, em menos de dois anos, foram ajuizadas 59 ações trabalhistas contra o MAC. 

No Campeonato Paulista da Terceira Divisão, este ano, a Justiça do Trabalho reteve as verbas da Federação Paulista de Futebol (FPF) destinadas ao Marília (cerca de R$ 270 mil).  Um percentual de 30% das verbas eram reservadas para pagamentos de acordos trabalhistas em ações contra o Clube.

O Ministério Público enfatiza ainda que “de forma robusta, que, há mais de uma década, o clube Réu, tem sido utilizado, mormente através das Corés, como instrumento para a prática de inúmeros ilícitos, entre os quais a gestão absolutamente temerária dos seus contratos de emprego, culminando com o ajuizamento de centenas de reclamações trabalhistas contra si”.

Sobre as empresas que administraram o Marília nos últimos dez anos, o Ministério Público menciona que “lideravam, faziam pagamentos, transações, captavam patrocínio e inclusive, investiam seus próprios recursos no clube”.

Entre os  descumprimentos de acordos com a Justiça, está o não depósito das rendas dos jogos do Campeonato Paulista da Série A-2 de 2016, no Abreuzão. O documento aponta que na partida do dia 16 de março do ano passado, contra o Independente de Limeira o borderô “indica receita líquida negativa de R$ 5.895,23, tendo a rubrica ‘Outras Despesas’ indicando o montante de R$ 10.758,00. Independente disso, a penhora recaiu sobre o valor bruto obtido nos jogos, o que não deixava ao executado (Marília) qualquer margem de discricionariedade para o uso dos recursos das rendas dos jogos, menos ainda sob rubricas como as citadas no parágrafo anterior. Portanto, o executado se apropriou indevidamente dos créditos decorrentes das rendas dos jogos”.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black
  • Facebook - White Circle
  • Tumblr - White Circle
  • Twitter - White Circle
Anuncie aqui!!!
14 99797-5612

© 2017 por "JP. Povo