Bauru quer ginásio de esportes e faculdade de medicina. Marília já tem tudo isso! Ginásio e duas faculdades há mais de 50 anos

July 11, 2017

 

 

                                  Marília X Bauru: o que Marília já tem há décadas, Bauru ainda está correndo atrás!

 

Incontestável a rivalidade entre Marília e Bauru. Apesar de ter quase o dobro de habitantes (369.368) que Marília (233.639) Bauru ainda não tem um ginásio de esportes e nem faculdade de medicina. E foram principalmente esses dois desejos que lideranças da cidade do sanduíche manifestaram, durante audiência pública para definir prioridades de investimentos do Governo do Estado. Bauru quer um ginásio de esportes para 5 mil pessoas. 

Outro grande desejo dos bauruenses, este já prestes a se realizar, é uma faculdade de medicina. A implantação do curso de Medicina no campus de Bauru da Universidade de São Paulo (USP), foi aprovado pelo Conselho Universitário da instituição na semana passada. Inclusive, o lançamento oficial do curso já tem data para ocorrer: no dia 1 de agosto, data do aniversário de 121 anos da cidade, devendo contar com a presença do governador Geraldo Alckmin (PSDB), entre outras autoridades. O curso funcionará dentro da Faculdade de Odontologia de Bauru, uma vez que aquela cidade não possui um hospital universitário. A previsão é que em até quatro anos seja construído um hospital da USP em Bauru.

Em fevereiro de 2018 receber a faculdade de medicina bauruense receberá os primeiros estudantes. Serão 60 alunos em 2018 e o mesmo número em 2019. Aumenta para 80 em 2020 e, a partir de 2021, serão 100 estudantes por ano.

MARÍLIA JÁ TEM TUDO ISSO!

    Vista geral do Ginásio de Esportes e público acompanhando partida do Bauru Basquete X Flamengo, aqui em Marília

 

GINÁSIO DE ESPORTES

O ginásio de esportes de Marília (Cemesc), na Avenida Santo Antonio, tem capacidade para quase 7 mil pessoas sentadas. Foi inaugurado em 2011, na gestão do então prefeito Mário Bulgareli, que, por ironia, é bauruense. Ou seja, o que Bauru tanto deseja lá, um bauruense construiu aqui.

Em 2015 e 2016, a equipe do Bauru Basquete usou o Ginásio de Esportes de Marília para o mando de seus jogos pelo NBB (Novo Basquete Brasil), inclusive contra o Flamengo, que sagrou-se campeão.

Com custos iniciais em torno de R$ 12 milhões, o ginásio de esportes demorou cerca de quatro anos para ser concluído e consumiu quase R$ 30 milhões! 

Foram usados recursos do Fundeb (Educação). Para que isso fosse possível, antes foi construída a Emef "Edmea Sola", anexa ao ginásio, que ocupa uma área de 12.000 m², sendo a área interna de 8.000 m². Foram consumidas 340 toneladas de aço na estrutura interna e externa. A coroa central da cobertura pesa 6 toneladas;
A quadra é construída em madeira, tem sistema amortecedor com manta de borracha no piso inferior e tem os mesmo padrões dos grandes centros esportivos. 

ESQUELETO DE CONCRETO

                                  Armações de concreto do ginásio ficaram abandonadas por quase 30 anos 

 

Vale lembrar que Marília poderia ter seu ginásio de esportes há mais de 30 anos. Isso porque, na mesma área onde foi construído o atual ginásio de esportes, foi iniciada obra semelhante na gestão do prefeito Theobaldo de Oliveira Lyrio (78/82). À época, houve até denúncias de desvios de ferros do local. Foram levantados apenas pilastras e armações de concreto, que lá permaneceram abandonados até a "retomada" das obras, em meados de 2008. 
FACULDADE DE MEDICINA E ENFERMAGEM

                           Famema e o Hospital das Clínicas de Marília: Complexo atende Marília e 62 cidades da região

 

Enquanto Bauru comemora a chegada de sua primeira faculdade de medicina (anexada à uma faculdade de odontologia e sem hospital), Marília está há pelo menos cinco décadas à frente. 

Em janeiro  de 1966, foi criada a Famema (Faculdade de Medicina e Enfermagem de Marília). Foi instalada no governo de Adhemar de Barros (projeto de lei de autoria do deputado Diogo Nomura), atendendo antiga reivindicação da prefeitura e da população local. Ela foi viabilizada a partir de um convênio entre a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo com a Santa Casa de Marília, na qual o provedor de ambas as Santas Casas foi o Dr. Cristhiano Altenfelder Silva, a Santa Casa de São Paulo daria suporte técnico e a Santa Casa de Marília seria o local das primeiras atividades até a adequação do recém construido Hospital das Clínicas de Marília. A instituição surgiu como instituto isolado de ensino superior, inicialmente com um Curso de Medicina de 60 vagas, sendo aumentado posteriormente para 80 vagas anuais a partir de 1975 para cada uma das seis séries. Seu funcionamento só foi autorizado um ano depois, em 30 de janeiro de 1967, como Instituição Pública Municipal, depois de ter sido constituída uma entidade mantenedora - Fundação Municipal de Ensino Superior de Marília (FUMES), criada pela Lei Municipal nº 1371, de 22 de dezembro de 1966, de autoria do prefeito Armando Biava. No momento de sua criação, a Famema era a décima Faculdade de Medicina instalada no Estado de São Paulo e a quadragésima sétima no país.

O Curso de Enfermagem foi criado em 1981, sendo autorizado e implementado pelo Decreto Federal nº 85.547/81. Foi também reconhecido pela portaria MEC 365/89, e oferece atualmente 40 vagas anuais para cada uma das quatro séries.

A FAMEMA foi escolhida, em 1992, pela Fundação W.K.Kellogg, para receber apoio técnico e financeiro para o desenvolvimento de um projeto baseado na parceria entre a academia, os serviços de saúde e a comunidade. Este projeto chamado UNI - Uma Nova Iniciativa na formação de profissionais de saúde tem apoiado o desenvolvimento curricular dos Cursos de Medicina e Enfermagem e possibilitado a construção de um novo projeto educacional.

Em 1997 foi a primeira Faculdade de Medicina no Brasil a adotar Metodologias ativas exclusivamente em seu currículo, sendo o Aprendizado Baseado em Problemas (ABP ou do Inglês, Problem Based Learning - PBL) e a Problematização. O ensino deixou então de ser centrado no professor, passando a ser centrado no aluno e voltado para a comunidade. Devido a metodologia, o aluno passa a estagiar nos serviços de saúde desde o primeiro ano, sendo até o final do curso, tanto de medicina quanto de enfermagem, passando em estágios curriculares em todos os níveis de complexidade do sistema de saúde.

Em 1994, numa conquista histórica do deputado estadual Abelardo Camarinha, a Famema foi estadualizada e o Governo do Estado de São Paulo e os alunos deixaram de pagar mensalidades, sendo criada a autarquia Faculdade de Medicina de Marília. A estadualização tem possibilitado a reorganização institucional e a superação da crise econômico-financeira enfrentada pela mesma desde o início dos anos 90

Atualmente, a Famema é uma autarquia do Governo do Estado de São Paulo, inicialmente ligada Secretaria de Ensino Superior. Anteriormente ligada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico e Turismo.

Em 2007 tentou se vincular a Famema como uma Faculdade ligada a Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), porém não foi aprovada no Conselho Universitário da UNESP.

Em 2014 houve uma nova tentativa de vincular a Famema numa universidade estadual paulista, porém nenhuma universidade (USP, UNESP e UNICAMP) assumiriam a FAMEMA ligada ao seu complexo hospitalar.

Em 2015 foi aprovado na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (Assembleia Legislativa) a criação da Autarquia Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília (HC - Famema), esta vinculada juridicamente a Secretaria de Estado da Saúde, separando a administração da Academia com a Assistência.

A Famema oferece, anualmente, 80 vagas para o curso de Medicina, com duração de 6 anos e 40 vagas para o curso de Enfermagem, com duração de 4 anos. A relação candidato/vaga foi de 91,69 para Medicina e 3,58 para Enfermagem em 2012. O corpo docente da Instituição conta com 289 profissionais (207 docentes e 82 assistentes de ensino), com a seguinte titulação:120 especialistas, 74 mestres, 85 doutores, 08 pós-doutores e 02 livre-docentes.

O Complexo Famema engloba o Hospital das Clínicas de Marília, o Hospital Materno-Infantil, o Ambulatório Mário Covas e o Hemocentro Regional. 

Em 2011, a Famema o teve nota máxima no Enade, que mediu a qualidade do aprendizado, da infraestrutura educacional, corpo docente e nível dos graduados. 

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIMAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

              Unimar com a Faculdade de Medicina e o Hospital Universitário: qualidade de ensino e excelência em Saúde

 

Há 21 anos, a Unimar (Universidade de Marília) criou a Faculdade de Medicina, que funciona junto com o curso de Enfermagem. Na área da saúde, são ministrados outros oito cursos: Educação Física, Biomedicina, Ciências Biológicas, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição e Odontologia.

O curso de Medicina da Unimar , pelos conceitos do MEC, está os melhores do Brasil. Atualmente, são 100 vagas no curso, número este que está em processo de expansão em 50%. O curso de Medicina da Unimar obteve nota 4 (máximo de 5) na avaliação "in loco" do MEC. Na Universidade, o estudante tem uma formação integral, desenvolvendo seus conhecimentos com o auxílio de um corpo docente capacitado tecnicamente, sendo que a maioria apresenta mestrado e doutorado. Os professores, além de suas funções de ensino e assistenciais, realizam pesquisa, inclusive com a participação dos estudantes por meio do programa de iniciação científica. O curso oferece oportunidade para que o estudante realize estágios práticos, que estruturam o trabalho médico, desde os primeiros anos, e em todos os cenários se investe no desenvolvimento de postura ética, humana e solidária. Estas ações são possíveis graças a metodologias de ensino inovadoras e o currículo está estruturado de acordo com as atividades que um médico realiza.

HOSPITAL DA UNIMAR

Profissionais titulados e equipamentos de ponta no Hospital da Unimar. Uma brilhante  conquista para Marília graças à capacidade, arrojo e trabalho do reitor da Unimar, Márcio Mesquita Serva. O H.U é dirigido por Márcia Mesquita Serva

 

Os professores e alunos dos cursos de Medicina e Enfermagem da Unimar desenvolvem a prática acadêmica em todas as suas especialidades no Hospital Universitário (ABHU), construído pela própria instituição de ensino, ocupando uma área de 15 mil metros quadrados e hoje entre os mais modernos centros de excelência médica do país, com estrutura e equipamentos de última geração. 

O Hospital Universitário de Marília também administra a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Zona Norte e mantém parceria de gestão do P.A (Pronto Atendimento) da Zona Sul, além de atender convênios do Iamspe e pacientes referenciados do SUS. As parcerias do Hospital da Unimar com a Prefeitura de Marília também abrangem a realização de mutirões de atendimento de saúde em diversas especialidades e cirurgias eletivas.

Com excelência de serviços e referência em nível estadual, o Hospital da Unimar possui 200 leitos e mantém Pronto Atendimento 12h para adultos, maternidade, UTI Neo Natal completo setor de imagens e diagnósticos da área com equipamentos de tecnologia de ponta, Centro de Gastroentereologia, Unidade de Cirurgia Cardíaca e Hemodinâmica e centros cirúrgicos com tecnologia de ponta.

Com o certificado de Utilidade Pública, o Hospital Beneficente da Unimar desenvolve diversos trabalhos na área social, entre eles o grande apoio ao Projeto Amor de Criança, que atende dezenas de crianças com paralisia cerebral e foi idealizado e coordenado pelo médico pediatra Francisco de Agostinho Júnior.

O Hospital Universitário conta com 16 especialidades: Nutrição, Odontologia, Ortopedia e Traumatologia, Neurologia, Cardiologia Adulto, Ginecologia, Gastroenterologia, Cirurgia Vascular, Urologia, Clínica Médica, Endocrinologia e Metabologia, Geriatria, Infectologia, Pneumologia, Cirurgia Geral e Cirurgia Torácica. Além dessas especialidades a ABHU conta com serviços agregados como: Central de Agendamento, Central de Autorização e Fisioterapia. Com serviços médicos como: Pronto Atendimento, Maternidade, UTI Neo Natal, Consultas Ambulatoriais (AME - Ambulatório Médico de Especialidades), Unidade de Cirurgia Cardíaca e Hemodinâmica (UCCH), Histeroscopia Ginecológica, Uromed - Litotripsia, Urodinâmica, Eletroencefalografia Digital e Mapeamento Cerebral, Banco de tecidos músculo esquelético - Unioss, Internações Cirúrgicas, Internações Clinicas, UTI Adulto, Centro Integrado de Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia (CIOF). Os serviços com exames são nas áreas de: Eletrocardiograma (Hemodinâmica -UCCH), Endoscopia, Colonoscopia e Retoscopia (SEHU), Exames de Imagem (Unimagem), Exames de Anatomia Patológica (LAPAC), Exames de Laboratório de Analises Clinicas (CENPAC).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black