Servidores municipais terão que pagar mensalidades integrais da Unimed

September 6, 2017

A partir deste mês, os servidores da Prefeitura de Marília que utilizam o convênio com a Unimed, terão descontados os valores integrais dos planos em seus holerites, ou seja, pagarão a cota deles, mais a parte patronal, que era repassada pela Prefeitura à Associação dos Servidores Públicos Municipais de Marília (e posteriormente direto à operadora)..

Em fevereiro deste ano, o Tribunal de Contas do Estado apontou como ilegais os repasses de cerca de R$ 450 mil mensais da Prefeitura para a referida Associação, que efetivou o contrato com a Unimed local e fazia os pagamentos dos planos dos servidores.Foi aberta uma Sindicância para apurar a questão. 

Desde então, a Prefeitura deixou de fazer os repasses à Associação e passou a pagar diretamente à operadora dos planos de saúde. Em março, foi autorizado pela Câmara Municipal um contrato emergencial entre a Prefeitura e a Unimed, por seis meses, o qual se encerrou dia 31 de agosto.

Agora, com a abertura do processo de licitação para a contratação de uma empresa de planos de saúde pela Prefeitura, os pagamentos à Unimed estão sendo suspensos e os servidores que continuarem usufruindo do convênio terão que pagar integralmente as mensalidades, descontadas nos holerites. 

A Procuradoria Jurídica do Município está fazendo um levantamento sobre esta situação e deve divulgar esclarecimentos até o final da tarde. 

 

A ASSESSORIA DE IMPRENSA DA PREFEITURA DIVULGOU UMA NOTA SOBRE O ASSUNTO:

 

"A Prefeitura Municipal de Marília esclarece aos servidores que a informação divulgada por determinados veículos de comunicação sobre mudança na forma de pagamento do Plano de Saúde é falsa. 
A administração faz questão de tranquilizar os servidores afirmando que não há a mínima possibilidade de pagarem a mensalidade integralmente. Lembrando que, no início do ano, foi amplamente divulgada a abertura licitação para a contratação de uma nova prestadora de serviços (conforme já divulgado).
Em relação ao processo, que hoje segue os trâmites legais para sua conclusão, é possível afirmar que poderá haver sim a REDUÇÃO dos valores.
Quanto ao contrato atual, é importante ressaltar que os detalhes foram estabelecidos entre a Associação do Servidores e a Unimed e que, nunca estabeleceu parte patronal, ou seja subsídio do município para a Associação. E foi justamente o subsídio da prefeitura para Associação que motivou a reprovação do Tribunal de Contas que determinou a abertura de licitação pelo atual governo.
A Prefeitura solicita mais uma vez que a população e a imprensa consultem as fontes oficiais do município (site e redes sociais) antes de emitir qualquer opinião ou julgamento".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black