"Fiz uma besteira sem volta! Jamais me verão de volta", disse o assassino da professora Elizabete. Ele continua foragido

January 13, 2018

 

                       A professora Elizabete foi morta à facadas por Jefferson, que segue foragido

 

O mototaxista Jefferson Carlos da Silva, de 28 anos, acusado de ser o autor do assassinato da professora Elizabete Aparecida Ribeiro, de 37 anos, continua foragido. O crime aconteceu na manhã da quarta-feira (10). O assassino tem um irmão gêmeo (que mora atualmente no Estado de Santa Catarina). O que diferencia os dois, é que ele (Jefferson) tem uma tatuagem com listas verticais pretas e grandes na parte superior do braço esquerdo.  Ele já tinha passagem pela polícia por denúncia de violência doméstica. 

O CASO

Elizabete foi morta com cerca de dez facadas desferidas por Jefferson, seu namorado, no apartamento onde morava sozinha, no Residencial Palmital, na Zona Norte de Marília. 

O assassino fugiu do local em uma motocicleta, logo após o crime, segundo testemunhas, dizendo que iria se matar. Vizinhos ouviram discussão no apartamento. O rapaz foi até a casa de familiares, na Vila Altaneira, onde chegou sujo de sangue e dizendo que "tinha feito uma besteira sem volta" revelou o crime à mãe a à uma irmã e falou ainda que "jamais iriam vê-lo de volta". A irmã dele foi até o apartamento de Elizabeth e em companhia da síndica do condomínio, chamaram pela professora, que não respondia. Apenas o cachorro latia no apartamento. A polícia foi acionada, arrombou  a porta e encontrou a vítima já sem vida, com diversos golpes de faca no pescoço. 

Elizabete dava aulas na Emef Américo Capelozza. Também lecionou na Emef Edmea Sola. O corpo da professora foi transladado para Cafelãndia, na região de  Lins, onde moram seus familiares. 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black