CPI da Carne Estragada vai contratar técnico em câmara fria e investigar conversa de "queda de energia" na Cozinha Piloto

 Foi realizada, na tarde desta terça-feira, 27, a primeira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigará o apodrecimento de mais de 7 toneladas de carne, na Cozinha Piloto de Marília, no início de 2018.

Segundo o presidente da CPI, o vereador Luiz Eduardo Nardi (PR), este primeiro encontro serviu para definir o cronograma de trabalho.

“Nós fizemos um breve resumo daquilo que pretendemos levantar, inicialmente. São questões que terão desdobramento no restante da CPI. Queremos informações sobre a câmara fria, sobre interrupção de energia elétrica e também queremos a contratação de um especialista que nos instrua sobre o correto funcionamento desta câmara. A medida que formos recebendo e analisando estes documentos, vamos distinguindo a necessidade e os nomes das pessoas que devem ser ouvidas pela Comissão”, disse Nardi.

Os documentos requeridos pela CPI foram: O relatório produzido pelos vereadores José Luiz Queiroz (PSDB) e Maurício Roberto (PP) que estiveram na Cozinha Piloto, um dia após constatado o perecimento da carne (25 de janeiro); a 2ª via do laudo produzido pela Vigilância Sanitária, em relação ao alimento estragado; informações da Companhia Paulista de Força e Luz sobre possíveis interrupções de energia elétrica no período entre os dias 1 e 24 de janeiro, nas redondezas da Cozinha Piloto; cópias de inteiro teor, da Secretária de Suprimentos, dos processos licitatórios para a aquisição da carne e cópias dos empenhos, comprovantes de pagamentos realizados e respectivas notas fiscais do fornecedor.

Para o relator da CPI, o vereador Maurício Roberto, os documentos solicitados definirão as oitivas deste processo.

 

“Hoje definimos quais documentos iremos solicitar aos órgãos responsáveis. Após a chegada destes documentos, faremos uma análise e identificaremos quem serão as pessoas a serem ouvidas e em que ordem serão intimadas. Quem irá nortear as oitivas serão estes documentos”, disse.

Para o membro da CPI, o vereador Danilo Bigeschi (PSB), disse que as informações contidas no laudo da Vigilância Sanitária serão importantes para a CPI.

“O levantamento destas informações vai dar um embasamento para a Comissão para que possamos saber, de fato, quais eram as condições previstas e relacionadas à saúde. Acredito que o laudo da Vigilância Sanitária vai trazer muitas informações de como o alimento estava condicionado, a que temperatura e os riscos que poderiam oferecer. Os trabalhos já estão sendo feitos com muita cautela, serenidade e sobretudo, com muita responsabilidade”, finalizou Danilo.

A CPI tem prazo de 120 dias para ser concluída, prorrogáveis por mais 90 dias.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black