CPI DA CARNE ESTRAGADA: Faneco ironiza com pagode. Levi Gomes ataca Comissão, cobra isenção e bate boca com Nardi

June 20, 2018

 

 

         Secretários Faneco e Levi Gomes prestaram depoimentos na CPI da Carne Estragada, hoje

 

O ex-secretário municipal da Administração e atual assessor especial de assuntos Estratégicos, José Alcides Faneco e o secretário municipal da Fazenda, Levi Gomes, prestaram depoimentos relâmpagos na CPI da Carme Estragada, na tarde desta quarta-feira (20), na Câmara Municipal.

Cada depoimento durou cerca de 10 minutos. Bem diferente do depoimento do ex-secretário da Educação, Beto Cavallari, na semana passada, que demorou cerca de três horas.

Os depoimentos de hoje foram acompanhados pelo diretor Jurídico da Prefeitura, Alysson Alex de Souza e Silva, que leu e conferiu os relatos dos depoimentos dos secretários, antes deles assinarem os documentos.

O primeiro a depor hoje foi Faneco, que logo na primeira pergunta formulada pelo presidente da CPI, vereador Luiz Nardi (PR), sobre a perda de sete toneladas de carnes da merenda escolar, ironizou. "Tem uma música do cantor Zeca Pagodinho...". E cantarolou: "nunca ví nem ouvi eu só ouço falar".

As respostas dele às ouras poucas perguntas foram bastante sucintas. Disse que não teve nenhuma participação no processo de compra nem de manipulação das carnes. "Isso é questão técnica, da Cozinha Piloto". 

Afirmou que participou de reuniões no gabinete do prefeito Daniel Alonso, com a presença do então secretário, Beto Cavallari, mas nunca foi tratado assunto de carnes na Cozinha Piloto. "Nem o prefeito tratou disso".

LEVI QUESTIONA ISENÇÃO DA CPI, FALA EM INTERFERÊNCIAS E DISCUTE COM NARDI

 

Já o depoimento do secretário Levi Gomes "esquentou o clima" entre ele e Nardi, que já acumulam desavenças fora do âmbito político. Além disso, Levi não tem a "habilidade política" de Faneco. 

O secretário iniciou sua fala questionando métodos da CPI e "sugerindo" como devem ser conduzidas comissões desta natureza, "de forma isenta". Também criticou o que considera "exploração política" em cima da CPI, como as falas e publicações do deputado Camarinha "que está pautando a CPI. Tem matérias pagas dele e lá você fica sabendo qual o próximo passo da CPI", disse. Reclamou de "interferências externas na CPI desse sujeito que orquestra e pauta a CPI. Vejo essa CPI, infelizmente, como perdeu a seu objeto e isenção". Classificou ainda como "ilegal" a intimação do prefeito Daniel Alonso (que deve depor nesta quinta-feira). "A isenção acabou, autonomia sob suspeita e se começa  fazer atos ilegais. CPI não tem autoridade para isso, intimar o prefeito, poderia no máximo convidá-lo. O que é pior, vira motivo de chacota na cidade, como a que o prefeito vai no Master Chef explicar como picar carne, moer carne. A cidade não merece isso".

Nardi não gostou da fala e respondeu asperamente, dizendo que "quem é responsável pela CPI sabe tudo isso aí", referindo-se às "sugestões" de Levi quanto a isenção do processo.

"Temos a obrigação sim de fiscalizar e quando chamamos alguém porque houve citações aqui por parte de outras pessoas. Dar uma aula aqui de como deve funcionar uma CPI, me desculpe, mas o senhor não entende nada disso, nada, zero", afirmou Nardi.

Levi reagiu e questionou a "isenção" da Comissão e foi interrompido por Nardi, que declarou encerrada a oitiva e pediu para que constasse em ata "a grosseria como se comportou o secretário aqui, não só em relação à CPI, mas à Câmara Municipal. Só isso aí".

"EU NEM SABIA ONDE FICAVA A COZINHA PILOTO"

 

        Nardi e Levi Gomes bateram boca. Vereador Danilo da Saúde na CPI da Carne Estragada

 

Sobre o depoimento do secretário, Levi negou qualquer envolvimento no processo que culminou na perda das sete toneladas de carne na Cozinha Piloto. "Eu não sabia onde ficava essa carne e nem sabia onde ficava a Cozinha Piloto, nem onde era armazenada a carne".

Falou que o contato dele com o ex-secretário Beto Cavallari era apenas na função de secretário e que não sabia nada sobre carne a ser moída na Cozinha Piloto. "Como estava havendo desabastecimento lá se tinha carne sobrando?", indagou.

Levi disse que nunca recebeu do ex-secretário, por documentos ou verbalmente, qualquer pedido ou orçamento para reformas da câmara fria da Cozinha Piloto. Se tivesse recebido isso eu teria tomado providência".

Indagado pelo vereador Danilo da Saúde (PSB), sobre pagamentos, Levi negou atrasos de pagamentos para empresas que fornecem carne para a Prefeitura. "Tenho todos os relatórios de 2017 aqui e o máximo que atrasou um pagamento foi quinze dias". 

Ao ser questionado pelo vereador sobre a publicação de uma Portaria no Diário Oficial do Município, que culpou duas funcionárias da Cozinha Piloto pela perda da carne, o secretário seguiu orientação da assessoria jurídica presente no recinto e disse "não ter se atentado para isso. Eu não lí". 

 

 

                           Procurador Alysson Alex confere depoimento de Levi Gomes na CPI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black