Tato cita "caos na cidade, prefeito muito mal-assessorado e ilegalidades na gestão". Diz estar frustrado e diz: "não tenho o poder da caneta e ninguém me ouve"

August 29, 2018

 

                      Apresentador Amarildo de Oliveira entrevistando o vice-prefeito, Tato

 

O vice-prefeito Antonio Augusto Ambrósio, o Tato, esteve ao vivo no programa "Fala Cidade", da Rádio Clube, na manhã desta quarta-feira (9), onde citou problemas e "caos" na cidade, além de "erros e ilegalidades" da atual gestão. Disse que fala, fala, "mas entra por um ouvido e sai pelo outro". 

SEM A CANETA NA MÃO

O apresentador do programa, Amarildo de Oliveira, lembrou que, durante a campanha eleitoral de 2016, o então candidato a prefeito, Daniel Alonso (PSDB), dizia que "não haveria prefeito e vice, mas que a cidade teria dois prefeitos", fazendo alusão a que seria atuante participação de Tato no governo.

"Foi exatamente assim a tratativa que tivemos, porque na verdade eu não era candidato a vice-prefeito, eu era candidato a prefeito. Então a gente fez uma aliança para dois candidatos a prefeito assumirem e serem responsáveis pelos atos praticados na cidade".

Tato falou da realidade, hoje. "Me sobraram dois cargos, que foram o Daem e a Codemar, duas buchas que tinham na cidade, tá tudo resolvidas já. Eu  pensei assim (participar do governo). Meu relacionamento de ser humano com o prefeito é normal, mas a expectativa que eu fosse participar das atividades , realmente frustrou", disse Tato. "Eu estou fora, não tenho contato com nada. Só tenho afinidade com o secretário da Fazenda, o resto entra por um ouvido e sai pelo outro".

LOTEAMENTOS ILEGAIS

Ele afirmou que "a gente era pra administrar junto. No início do governo, todas as coisas que eu via que estavam erradas eu ia lá e falava. Ouvia, mas continuava errada, não sei se por causa do Daniel ou por causa, acredito, de seus secretários. Ali eu não tinha a voz ativa ou o poder da caneta, então eu só poderia falar. Tinha muitas coisas que eu poderia ter ajudado a modificar para não ter problemas".

Tato falou de suas gestões na Codemar e no Daem, "tudo equalizado e fazendo quatro vezes mais do que qualquer administração". Em setembro do ano passado, Renê Fade, o diretor da Codemar  indicado por Tato, foi exonerado por Daniel Alonso. Tato, que estava viajando, ficou sabendo da exoneração pela imprensa.

Tato criticou as execuções de loteamentos, desrespeitando as diretrizes viárias em Marília, com aprovação da Prefeitura. "Ilegal", disse Tato. "Nesse loteamento (na região da Fazenda Cascata, investigado pelo Ministério Público) eu cansei, cansei de falar que tava errado. Eu fui inúmeras vezes no setor Jurídico da Prefeitura questionar disso aí, mas eu não sou ouvido. A mobilidade urbana em Marília está um caos, mas eu não tenho o poder da caneta, não me dão o poder da caneta...Já discuti muito dentro da Prefeitura...falo ao vento", reclamou.

Ainda sobre os loteamentos, Tato disse que "falou para todo mundo que estava tudo errado, prefeito jurídico" sobre os problemas. "Mas a minha palavra não valia nada. Sou apenas um simples vice-prefeito".

Disse que em Marília "não se cumpre nada, inclusive nesta administração. O que tem eu falar? É verdade!". 

ERRO DO PREFEITO E BRIGA NO GABINETE

Tato disse que os loteamentos na Zona Leste poderão acabar com a mobilidade urbana naquela região. "Falei dez, vinte, trinta vezes, mas não em ouviram. Vai acabar com a Zona Leste", disse o vice-prefeito, que mora naquela região da cidade.

Ele considerou "um erro" a decisão do prefeito Daniel Alonso, de que a aprovação de loteamentos na cidade, independente de parecer técnico, será dele. Publicou decreto nesse sentido.

Na semana passada, Tato discutiu com um procurador Jurídico no gabinete do prefeito Daniel Alonso e ambos sairam aos tapas, sendo apartados pelo secretário da Fazenda, Levi Gomes. Ele não comentou esse episódio, na entrevista. Citou apenas que "essa (loteamentos) é minha briga na Prefeitura".

Foi lembrado quando Tato, no ano passado, disse em entrevista que a cidade tinha dois milhões de buracos, sendo criticado pelo prefeito. "Eu não estava errado, contei as estrelas naquele dia". 

"O prefeito que você caminhou junto é incompetente, um dos piores da história da cidade", disse o apresentador Amarildo de Oliveira. Tato ficou calado. 

Sobre problemas da cidade, como lixo, entulhos, multa da Cetesb, Terminal Urbano aberto, falta de agasalhos para crianças, cancelamento do desfile de 7 de Setembro e outros, Tato disse que a emissora deveria "chamar eles para responder". 

Disse que "o prefeito está muito mal-assessorado", mas não citou nomes de assessores. "Eu acho que no Jurídico". Sobre ter saído vice do Daniel Alonso, disse" tem horas que você fica pensando: o que que eu fui fazer. É duro, né?!. É difícil lidar com esse povo".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black