BLACK FRIDAY: advogada dá dicas para antecipar os cuidados e não ser enganado na hora das compras

November 22, 2018

 

Uma das datas mais esperadas pelos consumidores e pelo varejo nacional está chegando.

Neste ano, a Black Friday acontecerá no Brasil no dia 23 de novembro; ou seja, amanhã, de forma que se orienta aos consumidores que querem aproveitar os descontos, que desde já iniciem os planejamentos e as pesquisas acerca dos produtos que pretendem adquirir.

Antes de mais nada, é importante que se faça uma lista dos itens que deseja comprar, para que se analise a real necessidade do produto, no intuito de se evitar compras desnecessárias por impulso.

Após definir o produto que pretende adquirir, é necessário que pesquise a respeito da marca, modelo e tamanho. Nessas semanas que antecedem a Black Friday, pesquise o produto e veja avaliações de outros clientes que já compraram, para saber se o item é satisfatório e se atende suas necessidades.

Marcas e modelos definidos, um dos passos mais importante é verificar o valor de cada item. Recomenda-se entrar no site do produto escolhido, e tirar um print da tela onde consta o nome do site, o preço, a data e o modelo do produto. Isso porque, se no dia da Black Friday esse mesmo produto estiver constando como oferta, porém com o mesmo preço registrado anteriormente, trata-se da famosa "maquiagem de preço".

Tal "maquiagem" trata-se de prática fraudulenta de algumas empresas, que aumentam os preços dos produtos na véspera do evento, e logo depois aplicam um desconto falso para que o valor fique igual ou semelhante ao que era antes do aumento. Essa prática é ilegal e, se detectada pelo consumidor, o mesmo deve denunciar a empresa para o Procon.

Extremamente importante também é analisar a reputação da loja, haja vista que, nessa época, é muito comum encontrar e-commerces que oferecem produtos cobiçados a um preço muito vantajoso mediante pagamento no boleto ou transferência bancária, mas que nunca enviam os produtos por se tratarem de lojas falsas criadas com a finalidade de aplicarem golpes nos consumidores.

Uma dica é pesquisar a reputação da loja no site Reclame Aqui, para verificar o histórico da empresa e se a mesma recebe ou não muitas reclamações.

O Procon também disponibiliza em seu site uma lista das lojas virtuais que devem ser evitadas, pois receberam muitas reclamações, foram devidamente notificadas, mas sequer responderam ou foram encontradas.

Observadas essas dicas, a chance de se ter uma jornada tranquila sem prejuízo para o consumidor aumenta consideravelmente, pelo que desejamos a todos boas compras.

 

Thayla de Souza é advogada associada do escritório Marinho Advogados Associados, responsável pela área do Direito do Consumidor, pós-graduada em Direito Civil e Processual Civil pela Universidade Estadual de Londrina — UEL, mestranda em Teoria do Direito e do Estado pelo Univem - Centro Universitário Eurípides de Marília. Membro da Comissão de Direito do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Marília.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black