STF ainda não homologou delação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, que revelou pagamentos de propinas milionárias para ex-prefeitos de Marília

February 26, 2019

   ESGOTO E PROPINAS: ex-prefeitos Bulgareli, Ticiano Toffoli e Vinícius, delatados por executivo da OAS

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e relator da Operação Lava Jato na corte, Edson Fachin, ainda não homologou a delação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, revelada no último dia 5. O executivo disse em delação premiada que pagou propinas relacionadas às inacabadas obras do esgoto a três ex-prefeitos de Marília:  Mário Bulgareli (PDT - 2005/2012), Ticiano Toffoli (PT - 2012 - irmão do atual presidente do STF, Dias Toffoli), e Vinícius Camarinha (PSB 2013/2016). Segundo o delator, este último pediu 3% de propina em relação ao valor total da obra, orçada em cerca de R$ 100 milhões, na época. Somente após a homologação do STF órgãos como a Procuradoria Federal e a Polícia Federal podem dar sequência às investigações e eventuais pedidos de prisões dos envolvidos. 

O empreiteiro, enrolado na Lava Jato e preso em Curitiba, revelou ainda que repassou dinheiro de caixa 2 para a campanha eleitoral de Ticiano Toffoli (PT), que foi vice do ex-prefeito Mário Bulgareli (2009/2012) e candidato a prefeito em 2012, após assumir o cargo no lugar de Bulgareli, que renunciou em março de 2012, às vésperas da abertura de um processo de cassação por corrupção na Câmara Municipal. 

O empreiteiro disse também que o ex-prefeito e deputado estadual eleito, Vinícius Camarinha (PSB) também exigiu vantagens indevidas durante seu mandato na Prefeitura de Marília (2013/2016). O delator disse que o ex-prefeito pediu 3% sobre o valor da obra, orçada em R$ 110 milhões, à época. 

Outro envolvido na delação de Léo Pinheiro, é o ex-presidente do Daem (na gestão Bulgareli/Toffoli), Antonio Carlos Guilherme, o Sojinha, atual diretor do MAC. O empreiteiro disse que Sojinha comentou sobre uma obra parada de esgoto em Marília e que gostaria de repassar à OAS. Sojinha é cunhado de Ticiano. 

Pinheiro conheceu Ticiano e Sojinha durante um jantar em Brasília. As "negociações" evoluíram e segundo Pinheiro, Ticiano e Sojinha exigiram  R$ 1 milhão para financiar a renúncia de Bulgareli. O ex-prefeito pegou a propina e deixou o cargo. A OAS "investiu" ainda R$ 1,5 milhão para a campanha de Ticiano Toffoli, mas ele não se elegeu, em 2012.

Todos os acusados negaram as acusações, conforme matéria publicada hoje pela "Folha de São Paulo". O deputado Vinícius Camarinha disse que "quando assumiu a Prefeitura, a licitação já estava em andamento e rescindiu o contrato após o envolvimento da OAS na Lava Jato. Também afirmou que nunca teve contato com Léo Pinheiro. 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black
  • Facebook - White Circle
  • Tumblr - White Circle
  • Twitter - White Circle

© 2017 por "JP. Povo