Equipe da revista Cruzoé esteve em Marília para investigar "transação suspeita" envolvendo Ticiano Toffoli

October 11, 2019

 

Equipe da Revista Cruzoé (edição digital independente nacional com publicações às sextas-feiras) esteve em Marília, para "investigar a transação suspeita que fez Léo Pinheiro, da OAS, citar Dias Toffoli em um dos capítulos de sua delação premiada". O título da matéria é "O irmão problema" e o conteúdo, por enquanto, só está disponível para assinantes da revista.

Léo Pinheiro, num dos 109 anexos de sua delação premiada, contou que foi Dias Toffoli que o apresentou a seu irmão, Ticiano, em fevereiro de 2012, durante um encontro no restaurante Piantella, na capital federal, informa a Crusoé.

Após Toffoli deixar a mesa, seu irmão, à época vice-prefeito de Marília, e Sojinha, braço direito dele, teriam pedido 1 milhão de reais ao empreiteiro para comprar a renúncia do então prefeito Mário Bulgareli, do PDT.

Como contrapartida, a dupla entregaria à construtora uma obra de saneamento orçada em 108 milhões de reais. 

MINISTRO EXCLUI TICIANO DA DELAÇÃO

No final do mês passado, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu homologar a delação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro. Ao formalizar o acordo entre o executivo e o Poder Judiciário, o ministro decidiu arquivar trechos que faziam referências ao irmão do presidente da Corte, Dias Toffoli e ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Ele atendeu pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

O criminoso confesso foi preso em pela primeira vez em novembro de 2015, durante a Operação Juízo Final, 7.ª fase da Lava-Jato. Em seguida ele obteve o benefício da prisão domiciliar, concedida pelo STF. No entanto, voltou para a cadeia em 2016. 

A DELAÇÃO

                   O malandro confesso Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS

 

Léo Pinheiro afirmou, em delação premiada, que pagou propina, além de ter efetuado repasses por intermédio de caixa 2, à campanha de José Ticiano Dias Toffoli, que exerceu mandato-tampão de prefeito de Marília de março a dezembro de 2012 (após a renúncia do então prefeito Mário Bulgareli).

Além disso, Pinheiro também teria relatado o pagamento de propina para Vinicius Camarinha (PSB), sucessor de Ticiano na prefeitura e hoje deputado estadual pelo PSB. O ex-prefeito disse em Nota que nunca teve qualquer contato com o delator.

O empreiteiro declarou que em 2011 conheceu Ticiano Toffoli durante um jantar, em Brasília, junto com o então presidente do Departamento de Água e Esgoto de Marília (DAEM), Antonio Carlos Guilherme de Souza Vieira, o Sojinha.

Após esse dia, de acordo com ele, os dois lhe contaram sobre uma obra parada no setor de saneamento e que eles queriam que fosse assumida pela empreiteira baiana.

Pinheiro acrescentou que foi procurado por Sojinha, que relatou a existência de um recurso em Marília devido à rescisão de um contrato com a construtora Passarelli.

“Antonio Carlos Soja relatou que estava com receio de perder o recurso, caso não fosse utilizado para prosseguimento da obra do esgotamento sanitário. Em face disso, respondi que a OAS iria realizar um estudo para analisar a viabilidade econômica da retomada da mencionada obra e que, em seguida, a empresa lhe daria um posicionamento”, disse o empreiteiro.

Pedido de propina

Depois de concluir que o projeto era viável, conforme Léo Pinheiro, um representante da empreiteira reuniu-se com Sojinha e Ticiano Toffoli para informá-los do interesse em assumir a obra. Foi quando houve o pedido de propina, segundo ele.

“Foi solicitada vantagem indevida no valor de R$ 1 milhão com a finalidade de comprar a renúncia do então prefeito do município de Marília, Mário Bulgareli (PDT)”, disse Léo Pinheiro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black