"OPERAÇÃO JOÃO DE BARRO": Gaeco inicia oitivas no caso de fraudes na Cohab de Bauru. Construtora de Marília é investigada pelos golpes

January 16, 2020

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) retomou as investigações da operação 'João de Barro', que apura irregularidades na Companhia de Habitação Popular de Bauru (Cohab). Nesta quinta-feira (16), começam as oitivas. Dois funcionários da Cohab serão ouvidos pelos promotores que trabalham diretamente neste caso, em outra frente de investigação dentro da operação, que foi deflagrada no final do ano passado.

Uma construtora de Marília, a Sancarlo Engenharia, está envolvida neste caso. Inclusive, houve buscas por agentes do Gaeco na sede da empresa, no mês passado, Detalhes das buscas e envolvimento da construtora não foram divulgados. 

Em seguida, o MP-SP entrou em recesso, com o retorno das atividades no último dia 7 de janeiro. Em dezembro, o Gaeco apreendeu 1,6 milhão em notas de real e 30 mil em notas de dólar norte-americano na residência do então presidente da companhia Edison Bastos Gasparini Jr. Valores menores em notas de euro e libras esterlinas também foram encontrados. Na época, Gasparini afirmou ao JC que o dinheiro é proveniente de negócios no setor agropecuário.

O Gaeco investiga também os contratos da Cohab com diversas construtoras para o pagamento de valores antes mesmo da confirmação de acordo na Justiça. No mesmo dia, Gasparini se afastou do cargo de presidente. Junto com ele, saíram também o diretor financeiro Paulo Sérgio Gobbi e o gerente jurídico Milton Gimael. O Conselho de Administração aprovou as nomeações do novo presidente, Arildo Lima Jr., e do diretor financeiro, Marcos Garcia, feitas pelo prefeito Clodoaldo Gazzetta. A corregedora-geral da prefeitura, Andrea Salcedo, está se afastando da função para assumir como gerente jurídica, a partir da semana que vem.

APURAÇÃO

De acordo com os promotores do Gaeco em Bauru, outras pessoas ligadas à Cohab serão chamadas posteriormente para falar sobre o caso, inclusive o ex-presidente. Já o material apreendido em diversos endereços, tanto em Bauru como fora, estão sendo analisados. O material físico já vem sendo apurado pela equipe do Gaeco, e a perspectiva é que, entre o final de janeiro e o começo de fevereiro, alguns resultados já possam aparecer. Em relação aos arquivos digitais, uma perícia especializada em São Paulo vai salvar o material, para depois ser trazido de volta com as devidas autenticações. Portanto, esta segunda parte vai demorar um pouco mais.

A previsão é que a investigação dure, pelo menos, mais seis meses, pelo número de pessoas que podem ser chamadas a depor e também dependendo do que for encontrado dentro do que já foi apreendido. Em relação ao dinheiro que estava na casa do ex-presidente Gasparini Jr., o Gaeco não o chamou para depor. Ele deverá ser convocado em momento oportuno.

Acordo com a Caixa

O novo presidente da Cohab, Arildo Lima Jr., que assumiu o cargo no final de dezembro, afirma que efetivamente começou a tomar conhecimento da situação da empresa a partir do começo deste ano. O acordo de R$ 430 milhões com a Caixa será assinado, mas ainda depende da confirmação dos nomes da nova diretoria na Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), o que deve ocorrer até o final do mês. Pelo acordo, o município vai pagar mais de R$ 1,8 milhão por mês, por 20 anos.

 Outras dívidas da companhia, relativas a contratos com construtoras e seguro, estão em processo de apuração. "Ainda não sabemos o valor total da dívida com as construtoras. Já com o seguro, que não foi pago entre 1988 e 2010, deve estar na casa de R$ 100 milhões, porém, estamos fazendo um encontro de contas para chegar ao montante verdadeiro", afirma.

O processo de redução da companhia e demissão de parte dos funcionários será feita com calma, segundo Lima Jr.

"Precisamos manter um mínimo de equipe para trabalhar. As coisas vão ser feitas de forma correta", lembra. A prefeitura prepara ainda um projeto de lei que deve ir para a Câmara Municipal após o fim do recesso com a proposta de liquidação e encerramento da Cohab, em um prazo de até um ano e meio. O projeto está em fase de elaboração.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

WHATSAPP DO JORNAL DO POVO PARA ENVIO DE SUGESTÕES, FOTOS OU VÍDEOS
99797-5612 
99797-3003
Siga "JP POVO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black